André Valadão consulta a família para se lançar como Senador nas eleições deste ano

As eleições deste ano já são motivo de preocupação das bancadas no Congresso Nacional. Tanto na Câmara quanto no Senado, alianças políticas começam a se desenhar para manter – e até ampliar – a linha ideológica que hoje paira sobre as casas do legislativo federal. E a bancada evangélica não é exceção. Diversos nomes já começaram a serem sondados pelos líderes de partidos e defensores da chamada “família tradicional brasileira”.

Segundo a Folha de S. Paulo, figuras como Flávio Bolsonaro, filho de Jair, que deve se lançar como candidato à presidência, é cotado para ser um dos nomes ao Senado. E não é só ele. O cantor André Valadão também foi sondado para ocupar um cargo na Casa. A ideia é saltar dos atuais 2 representantes evangélicos para 15, segundo o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ)O ex-integrante do Diante do Trono e irmão de Ana Paula Valadão, que hoje atua em carreira solo, estaria analisando a possibilidade e “consultando a família”, para decidir se se lança como candidato ao Senado Federal pelo estado de Minas Gerais ou não, segundo informou o senador Magno Malta (PR-ES) ao jornal.

Na Câmara dos Deputados, a ideia é saltar dos atuais 80 integrantes da bancada evangélica para 150 deputados este ano, e assim garantir 30% do total de parlamentares da Casa (513). Sóstenes revelou que o objetivo é barrar pautas mais progressistas, como a legalização das drogas, do aborto e os direitos relacionados à comunidade LGBT. Além de André e Flávio Bolsonaro, outros nomes conhecidos do meio evangélico estão sendo cortejados pelas legendas, como o bispo licenciado da Igreja Universal e ex-ministro de Temer, Marcos Pereira, que recentemente foi acusado na delação de executivos da J&F de receber propina de Antônio Carlos Ferreira, um dos 4 ex-vice-presidentes que foram afastados essa semana pelo presidente Temer após entrarem na mira do Ministério Público, como informou o Jornal Nacional.

A questão da corrupção, aliás, é um problema a ser enfrentado pela bancada evangélica, já que parte de seus integrantes está sob investigação na Lava-jato ou em outras operações. Associar-se a esses escândalos pode ser um erro, e por isso deve ser bem analisado. André Valadão e sua família, por exemplo, foram criticados depois que as denúncias de corrupção e lavagem de dinheiro contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) vieram à tona. Os Valadões apoiaram fortemente o candidato à presidência em 2014, como uma alternativa à corrupção do PT. André chegou a afirmar depois que “não dá pra votar em anjos”.

Portal do Trono entrou em contato com a assessoria do cantor André Valadão, que disse aguardar uma posição do artista para ser repassada às mídias, já que atualmente ele está morando fora do país. Atualizaremos a notícia assim que obtivermos o retorno do mesmo.

Tadeu Ribeiro
[email protected]