Bispos da Universal Chamam Ana Paula Valadão de Endemoniada

O Bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, disse em um programa apresentado por ele e pelo bispo Márcio, também da IURD, que 99% dos cantores evangélicos são “endemoniados” e “perturbados”. Eles ainda foram além e disseram que a Ana Paula Valadão, líder do Diante do Trono, era um exemplo claro disso, referindo-se ao momento do Congresso de Louvor e Adoração deste ano quando a mesma caiu no sopro do Espírito Santo.

Essa foi a segunda vez que pastores da IURD falaram mal da Ana Paula Valadão. Antes desse episódio, no programa “Nosso Tempo” da IURD, pastores usaram o mesmo episódio vivido no 12º Congresso DT para dizer que a Ana Paula estava possessa. O apresentador chegou a dizer que cantava a música “Preciso de Ti”, mas depois disso passaria a não cantá-la.

Ana Paula Valadão respondeu via twitter às críticas dizendo:

Interessante ser criticada por me render de corpo e alma em adoração na Presença de Deus! Até me regozijo por isso. Não me deixarei intimidar. Não se preocupem comigo quanto a essas críticas, pois estou em paz no meu Senhor!

Edir Macedo é líder da Igreja Universal e já foi indiciado por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. É dono da emissora de TV e rádio Record, famosa por programas como “A Fazenda”, e também de uma gravadora gospel chamada “Line Records”, que hoje está em decadência mas no passado abrigou grandes nomes da música gospel.

Assistam:


Nota: Será que o Edir Macedo está incluindo nesses 99% dos cantores evangélicos os (poucos) contratados da Line Records ou eles fazem parte do 1% restante que não é possesso por demônios? Eu acho que mais proveitoso seria se ele tomasse decisões em relação a programação de sua emissora de TV, que não é conhecida por ser cristã, mas por expôr as famílias brasileiras a programas que incitam a violência, a pornografia, as drogas e tantos outros costumes abominados por Deus. Oremos, irmãos, pelos membros da IURD, pois eles não tem culpa de nada e são pessoas de Deus assim como nós. Que nosso clamor seja para que eles não se contaminem com uma teologia que mede a prosperidade pelo tanto de dinheiro que você tem, ou melhor, pelo tanto de dinheiro que você pode ofertar “a Deus”. 

Tadeu Ribeiro
[email protected]