“Cada um que expulse o diabo que criou”, diz Padre Fábio de Melo a Pedro Bial

Conversa com Bial

Padre Fábio de Melo, o religioso mais pop da atualidade, participou do Conversa com Bial na noite da última terça-feira. O bate-papo comandado pelo apresentador Pedro Bial na Globo contemplou questões como vaidade, pecado, existência do diabo e uso da batina.

Cantor, padre, professor e artista, Melo é um homem de muitos talentos. Há 20 anos na estrada religiosa, o mineiro confessou não temer circular pelo show business:

– Preciso me despir da hipocrisia. O pecado está em todos os lugares, na minha sacristia da mesma forma que está na Marquês de Sapucaí. Eu prefiro estar onde ele é mais visível porque eu sei com quem estou lidando.

Aos 46 anos, o padre revelou que gosta de se cuidar. A vaidade não é um assunto embaraçoso para o mineiro.

– Eu gosto de estar bem, isso é desde menininho. Eu nasci pobrezinho e minha mãe diz que eu sempre gostava de estar limpo, cheiroso, com o “cabelinho de cuia” arrumado. Sei lá o que era aquilo. Meu pai não gostava muito daquele cabelo, mas desde pequeno consegui manter o corte que eu queria. Eu tinha um trauma de um corte que era o meia cabeleira.

Na vestimenta de Melo durante a carreira, o que chama atenção é a dispensa da batina. Mas isso é questão e opção, explicou:

– Existem padres que ainda gostam do traje. Eu nunca usei, eu cresci numa congregação que já não tinha o hábito da batina. Sou filho de uma congregação fundada por um francês, um homem avançado para o tempo dele.

Quando a discussão seguiu para a possível existência do diabo, o religioso também falou do tema com tranquilidade. No palco, comentou que já foi procurado para fazer exorcismo.

– O diabo existe e tem suas filiais. A minha maior preocupação é quando identifico o que é diabólico em mim e é alimentado pela minha rotina – explicou. – Sobre exorcismo, eu digo não. Cada um que expulse o diabo que criou. O diabo é seu, somente você tem autoridade de tirá-lo da ação. Se eu fico pensando no diabo como uma instância, eu perco a responsabilidade de reconhecer em mim o que é diabólico. Eu tenho atitudes diabólicas, você tem também – ressaltou na entrevista.

(Zero Hora)