Cantora gospel Aline Barros é vítima de montagens com nudes

O mundo gospel está sofrendo com ataques envolvendo seus principais nomes em montagens de fotos sensuais, os populares “nudes”. Depois do Pr. Samuel Mariano denunciar que fotos íntimas montadas com seu rosto começaram a circular nos grupos de Whatsapp, a cantora gospel Aline Barros é a nova vítima.

Aline Barros é vítima de montagens sensuais envolvendo seu rosto

Fotos sensuais da voz de maior expressão da música gospel começaram a circular também em grupos de Whatsapp. As imagens, que trazem o rosto de Aline Barros em corpos nus e em poses sensuais, foram parar até em sites de conteúdo adulto. Optamos, por óbvio, não exibir o conteúdo.

Não se sabe se há ligação entre as pessoas que montaram as fotos de Samuel Mariano e as da cantora, mas o fato é que Aline Barros é mais uma vítima de pessoas mal intencionadas na internet, que estão usando indevidamente sua imagem, o que é crime e pode ensejar indenizações morais e materiais por parte de seus autores.

Aline é uma das maiores artistas do segmento evangélico, sendo recordista de prêmios Grammys, e tendo vendido milhões de cópias ao longo de mais de 20 anos de carreira. Ultimamente, deixou a MK Music para migrar para a Sony Music Gospel, onde já planeja o lançamento de novos projetos para este ano. Seu trabalho com o público infantil, muito forte, pode sofrer com essas atitudes difamatórias envolvendo seu nome em sites adultos, o que mostra a grandiosidade do problema. Além de seu público adulto, que é predominantemente evangélico.

A cantora gospel não se pronunciou oficialmente sobre o caso, mas o pastor Samuel Mariano sim. Ele afirmou que as fotos são montagens, e que já registrou boletim de ocorrência para que as investigações pudessem começar. Os crimes contra honra (Calúnia, injúria e difamação) só pode ser investigados e processados mediante queixa do ofendido, daí a necessidade de avisar as autoridades policiais sobre a atitude criminosa. A pena nestes casos pode chegar a 1 ano de detenção, mais multa.

Tadeu Ribeiro
[email protected]