Diante do Trono deve gravar próximo álbum em Brasília

Aconteceu em Belo Horizonte (MG) neste fim de semana santa o tradicional Congresso Diante do Trono 2018. Dentre algumas novidades anunciadas, como por exemplo a Ana Paula Valadão que irá comandar uma filial da Igreja Batista da Lagoinha em Miami (saiba mais), o ministério deu um passo importante sobre as gravações anuais de seus álbuns.

Próximo disco do Diante do Trono deverá ser em Brasília

Durante um bloco de ministrações, a líder de intercessão e conselheira do Diante do Trono, Pra. Ezenete Rodrigues, anunciou que estava sentindo de Deus a necessidade do grupo voltar a gravar no Brasil seus álbuns, como antigamente. O DT estava sempre gravando durante suas caravanas internacionais, na Jordânia e Israel, por exemplo. Segundo Ezenete, a direção é de que o próximo ajuntamento deverá ser em Brasília (DF).

O Diante do Trono é referência de público desde seu início, sendo recordista nacional em diversas ocasiões. Já chegou a reunir mais de 1 milhão de pessoas em 3 ocasiões, uma delas, inclusive, na própria Brasília, em 2002, quando cerca de 1,5 milhão de pessoas se reuniram na gravação do álbum “Nos braços do Pai”.

O momento pelo qual o país passa, com tantos escândalos de corrupção e imoralidade na administração pública, devem embalar o tema da gravação, que possivelmente será um momento de oração pelo Brasil. É consenso que está na hora do Diante do Trono voltar a olhar e se dedicar ao Brasil. O Congresso de 20 anos do grupo deixou isso muito claro, com vários chamados saudosistas para se voltar às raízes do maior ministério gospel da América Latina.

Não se sabe se o público será tão grandioso como o de outrora, mas pode-se ter certeza de que, sem dúvidas, será um momento especial para os fãs brasileiros, e também para aqueles que esperavam ansiosamente a volta do grupo aos trabalhos em solo brasileiro. Ana Paula Valadão deve começar a buscar direção de Deus para a próxima gravação, e diversas ações possivelmente começarão a se desenhar nos próximos meses, na busca por incentivos e patrocínios para o custeamento da produção. Como disse Ezenete para Ana Paula Valadão: “Se vira!”.

Tadeu Ribeiro
[email protected]