Igreja Quadrangular enfrenta problemas sexuais com pastores

A Igreja Quadrangular está enfrentando diversos problemas com alguns de seus pastores. E não são problemas pequenos. Nos últimos meses tem chegado ao conhecimento da polícia e da sociedade diversas denúncias de vítimas de supostos estupros, cometidos pelos responsáveis por algumas igrejas da denominação. Dois casos, por exemplo, já estão sendo investigados pela polícia.

Imagem ilustrativa da Igreja Quadrangular.

O primeiro trata-se do pastor Patrick Campos Almeida, que é suspeito de ter violentado uma mulher de 25 anos em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A polícia prendeu o religioso no último dia 10, enquanto ele pregava em sua igreja.

Segundo a queixa prestada pela vítima, que é massagista profissional, o pastor a teria contratado para prestar uma massagem em sua residência. Ao chegar lá, ela conta que foi abusada sexualmente por ele, que nega o crime e diz que ela consentiu. Patrick era pastor há 10 anos.

O segundo caso foi o do líder Wison Jorge Ferreira da Silva, de 51 anos, que era pastor há pelo menos 25, foi preso em sua casa em Contagem (MG), também na região metropolitana de Belo Horizonte. O caso dele chamou a atenção, pelo fato das vítimas serem várias, e incluírem um vulnerável. Ele ficou conhecido como “maníaco da orelha”, por conta de que sempre começava seus assédios lambendo as orelhas das vítimas, segundo elas mesmas. A delegada do caso, Larissa Mascotte, disse que ele se aproveitava de sua condição religiosa para impor medo às vítimas, que acabavam não o denunciando, até então. O advogado do pastor negou todas as acusações contra seu cliente.

A Igreja Quadrangular emitiu uma nota oficial, dizendo que já havia afastado os pastores de suas funções, e abriu inquérito disciplinar, para averiguar a conduta dos religiosos: “Surpresos com estas acusações, toda família Quadrangular lamenta o ocorrido e se solidariza com as supostas vítimas e seus familiares”, conclui a nota.

Tadeu Ribeiro
[email protected]
Com informações do G1.