Kaká revela por que saiu da Igreja Renascer em Cristo

Kaká foi um dos maiores jogadores de futebol do Brasil na última década. Conhecido por sua habilidade em campo, beleza física e ligação com a fé evangélica, o moço foi alvo de muitos holofotes da mídia no início da carreira, e hoje curte sua aposentadoria depois que decidiu sair do futebol. Em entrevista ao UOL, ele falou sobre religião, virgindade, divórcio, fama e outros assuntos, e garantiu que está em de bem consigo mesmo.

Jogador Kaká é evangélico.

O jogador foi um pioneiro na questão da virgindade, e anunciou aos 18 anos que só a perderia quando se casasse. Sobre o assunto, Kaká conta que hoje em dia preservaria mais sua intimidade, e embora repetisse o mesmo posicionamento, teria deixado de expor ele na mídia se pudesse voltar atrás. Ele garante que não deseja ser referência nesse sentido, e que a decisão de ser ou não virgem é pessoal.

“Em nenhum momento isso foi um peso. Falei numa boa. E foi até os 23 anos, até quando eu casei. Não teve nenhum problema. Agora, se você perguntar: faria de novo? Acho que eu não falaria sobre o assunto. Teria feito do mesmo jeito, não precisaria dessa exposição. Com a experiência que tenho hoje, não teria aberto essa área tão privada da minha vida. Teria me preservado um pouquinho mais. Eu acho que é muito legal ser exemplo e referência, mas é muito importante, também, que cada um tenha sua convicção pessoal”, conta.

Essa inclinação evangélica de Kaká era a base de uma relação que o jogador mantinha com a Igreja Renascer em Cristo, do apóstolo Estevam Hernandes e da bispa Sônia. Muitos fieis foram atraídos à denominação por conta do membro estrela. Mas após alguns escândalos, em que o casal foi acusado pela justiça de tentar sair do país com milhares de dólares não declarados dentro de uma Bíblia, Kaká resolveu se desligar da instituição, para preservar sua imagem e evitar um desgaste maior com os líderes.

“Expliquei meus motivos ao apóstolo e à bispa. Eles entenderam e a relação continua ótima. Tinha chegado meu limite com a instituição. Deixou de ser a “igreja do Kaká” e voltou a ser o que deveria: a Igreja Renascer em Cristo”, afirmou.

Tadeu Ribeiro
[email protected]