Opinião: Thalles só externou o que muitos outros cantores pensam

thalles opiniao

O cantor Thalles Roberto deu declarações polêmicas à cerca de sua carreira no segmento gospel, e o mundo caiu, ainda que por alguns dias. Ele chegou a dizer que era o mais talentoso, o mais rico e que somando todos os outros do gospel não chegava ao que ele tem e é, porque, segundo ele, a voz que Deus o presentou é única.

Não precisou de mais nada. O mundo caiu. Desde o episódio, só se vê falar disso, as 5 publicações mais vistas aqui no Portal do Trono são sobre isso, e todo mundo tem algo a dizer sobre o fato: “Vergonha!”, “Vai embora, Thalles!”, “Cala a boca, Thaleco”, e por aí vai… Porém, queria abordar o assunto por uma ótica diferente.

Thalles pensou errado, mas precisamos reconhecer o fato de que, infelizmente, ele não está sozinho. O cristianismo da meritocracia é aplaudido de tal forma que chega a ser espantoso! Ter dinheiro é sinal de ser abençoado, ter sucesso comprova que tal pessoa “é de Deus”. Thalles tentou se explicar, mas como explicar algo tão claro? No vídeo divulgado, ele disse em alto e bom som que, sozinho, consegue bater qualquer um na música, porque está “acima da média”. Alguns cantores contra-atacaram Thalles com outros discursos cheios de ego, mostrando que também são destaques, que também vendem milhões, que possuem uma carreira brilhante também, e que por isso não podem ser considerados “abaixo da média”. Qual a diferença dos discursos? Nenhum.

O cantor mais comercial dos últimos tempos do gospel deu um tiro no pé com suas declarações, mas não podemos esquecer que a própria indústria evangélica foi quem o criou, como faz com todos os outros que adentram por suas portas. Thalles é criação dessa indústria suja, que prega entretenimento ao invés do amor de Deus, que restringe a Palavra a quem tem dinheiro para comprar seus produtos. Um ambiente desses produz pensamentos como o do Thalles e de tantos outros, que só não expressam o que sentem, mas que no fundo entenderam o que ele disse e até concordaram com ele em seu íntimo.

Esse nova polêmica do Thalles deve servir de reflexão sobre como estamos levando as coisas dentro do Reino de Deus, e de qual a definição que temos por prosperidade. O mesmo Deus que disse que o menor de todos, aquele que serve, seria o maior de todos, foi o mesmo que disse a Thalles que ele estava “acima da média”? Me recuso a acreditar nisso. E me recuso a acreditar também que isso não seja usado para, no mínimo, revermos nossos referenciais.

Que Deus tenha misericórdia do Thalles, de mim, e de toda sua Igreja.

Tadeu Ribeiro
[email protected]