Pastor da Hillsong diz que Bíblia proibiu tatuagens apenas para aquela época

O pastor da Hillsong Carl Lenz, que é amigo pessoal e conselheiro do cantor Justin Bieber, concedeu uma entrevista a um site americano essa semana, em que fala, dentre vários assuntos, de temas polêmicos, como o racismo e o uso de tatuagens por cristãos. Confira abaixo a entrevista:

Quando você sabe que é hora de falar sobre uma questão polêmica? Por exemplo, você fala sobre o pecado do racismo. Por que você decidiu que era hora de falar sobre isso, particularmente?

Carl: Por minha igreja, meus amigos e meu coração, que está alinhado com o que eu acredito ser a palavra de Deus. E quando isso acontece eu sinto que é minha responsabilidade na medida em que isso é para nós agora. Este é o agora. Estamos em Nova York, então, se trata de Black Lives Matter, se trata de Eric Garner, que foi morto em nossas ruas, não tão longe de onde muita gente vive, se trata de coisas de brutalidade policial e da NYPD. Por sinal, não estou desprezando-os. Muitas vezes, quando você ouve sobre esses casos, Nova York está em destaque. Eu senti que tenho que falar sobre isso agora.

Uma frase típica usada por você “não sou um pregador comum”. E você fala no livro sobre “não ser um pastor com um cabelo pintado mau na cor caqui”. Por que você acha que essa tornou-se uma imagem que associamos aos pastores?

Carl: Eu acho que é um estereótipo reverso. É engraçado para mim, é uma boa pergunta. Em primeiro lugar, não uso essa frase ao me referir. Às vezes eu tenho que jogar o jogo, mas não gosto de dizer isso. Dizer “não sou um pregador típico” quase justifica que exista um pregador típico. A minha coisa é que os cristãos deveriam ser os mais abertos e os mais desapegados por uma imagem e, às vezes, nos tornamos a mesma coisa que estamos tentando combater. Jesus foi o messias mais heterodoxo que já viveu. Ele era um carpinteiro em um burro, onde todos foram reis garanhões. É sempre incrível para mim que olhe para mim ou para outro pastor que usa o que, aparentemente, não é o que todos deveriam usar. Eu digo: “mostre-me o que um pastor deve usar”.

Eu vi que alguém me enviou um blog no outro dia que algum homem escreveu sobre o meu traje inapropriado para a pregação. E eu só pensei “esse cara, onde ele realmente pensa que ele está certo? Ele realmente acha que seu escopo branco e evangélico é realmente o escopo da Bíblia?”, e isso para mim é uma farsa. Isso não me deixa louco, isso me deixa triste por ele. Eu só preciso sentir que as pessoas precisam ser quem são e precisamos deixar a Bíblia como nosso guia e deixar as fichas cair onde elas podem, mas essa noção, temos que procurar uma certa forma de agradar a quem? Quem são essas pessoas que regulam a imagem da igreja?

Falando sobre a Bíblia, você tem tatuagens, as pessoas mencionam isso em todas as suas entrevistas. Mas a minha pergunta é sobre as pessoas procurarem na Bíblia por passagens específicas para apoiar os desenhos ou dizer que não são permitidos. Quando há passagens bíblicas conflitantes ou potencialmente conflitantes, como você faz a interpretação de qual é aquela que parece ser a mais adequada?

Carl: É uma pergunta muito boa e bem perguntada. A interpretação bíblica é gigante. Assim, com as tatuagens sendo proibidas, você está Levítico. Nós jogamos ambos os lados da moeda, eu acho que é saudável. Como esse paradoxo da escritura, a interpretação é realmente parte de nossa fé, a tensão que decorre dela. Então, por um lado, dizemos que essa passagem do Antigo Testamento não encontra confirmação no Novo Testamento. Essa lei [da tatuagem] que teve a ver com escravos, que eram identificados como parte de uma tribo, não acreditamos que tenha passado pela cruz. Nós não acreditamos que, quando Jesus morreu e ressuscitou, aquela antiga passagem levítica aplicou-se à nossa vida moderna. Isso é ridículo.

Ao mesmo tempo, há algumas coisas que acreditamos seguir na cruz. Assim, do jeito que fomos separados de Deus, literalmente, colocamos o Antigo Testamento e depois colocamos uma cruz no meio, para depois colocarmos o Novo Testamento, e assim podemos dizer que qualquer coisa que atravessa a cruz é eterna. Qualquer coisa que para, é o Antigo Testamento. Por exemplo: sacrifícios de sangue de animais pararam por causa de Jesus. “Honrar sua esposa como Deus honra sua igreja” atravessou a cruz. Então, esse é nosso escopo para toda a interpretação das escrituras. Se morreu na cruz, então precisa morrer em nossa teologia. Os tatuagens são um acéfalo. Você está brincando comigo? Jesus estava bem claro em todos os detalhes. Seja uma dieta, seja sobre sua imagem ou sua qualificação, essas coisas morreram na cruz. Agora, torna-se uma questão de convicção pessoal. Então, se eu não acredito que essas tatuagens desvalorizem o templo que é o Espírito Santo, meu corpo, eu posso fazê-las. E posso não fazer, mas não vou transformar minha convicção necessariamente em teologia ou doutrina.

Tadeu Ribeiro
[email protected]
Informações de World Religion News.