Régis Danese teria se recusado a viajar de classe econômica; Cantor nega

O cantor gospel Régis Danese, do fenômeno “Faz um milagre em mim”, envolveu-se em uma polêmica recentemente. Ele foi convidado para participar de um evento nos Estados Unidos, mas acabou tendo sua participação cancelada após fazer exigências extravagantes à contratante. As informações foram divulgadas pelo Jornal Opção e R7.

Régis Danese é autor da canção “Faz um milagre em mim”

Segundo a publicação, Régis Danese teria solicitado voos em classe executiva, tanto para ele quanto para sua família, porque, segundo a informação, ele não viaja a noite em classe econômica, pois tem problemas para dormir. O fato foi suficiente para que a produtora do evento cancelasse a participação do cantor no Worship Moviment, pois o desprendimento financeiro, aliado ao cachê e outras despesas, seria de alto custo.

A empresa contratante, inclusive, foi obrigada a alterar de última hora o material de divulgação do evento, que apontava para a participação de Régis.

Defesa de Régis Danese
Portal do Trono entrou em contato com o escritório do cantor Régis Danese, que explicou a situação. Segundo a assessoria do cantor, a culpa foi da empresa contratante. Segundo consta, o evento, que iria ocorrer na Flórida, contratou Régis para ministrar, que não teria pedido nenhum cachê, apenas uma “oferta de amor”. Foi estabelecido também que o cantor só viajaria de dia, por problemas de saúde, e que caso a viagem tivesse que ser a noite, deveria ser em classe executiva, para que ele pudesse se movimentar no avião sem incomodar os demais passageiros.

Segundo o escritório, o contrato foi celebrado dia 28 de fevereiro, e um mês após o ato, ainda não haviam sido emitidas as passagens aéreas acordadas, o que fez com que os preços (em cima da hora) ficassem muito acima do preço de compra antecipada. Além disso, a empresa contratante chegou a pedir para ele sair de um local há 600km de distância e sua cidade, e que deixasse sua filha, que é menor de idade, no Brasil.

A assessoria de Régis Danese completa as informações com a seguinte nota: “Somos um ministério sério que cumpre a risca tudo que é acordado, o grande problema desse evento foi que o contratante não cumpriu o contrato, não honrou sua palavra e colocou a culpa no outro”, finaliza.

Tadeu Ribeiro
[email protected]