Conecte-se conosco

Mais Conteúdo

Adolescente alérgica à água evita tomar banho e não pode chorar: “Parece ácido”

Publicado

em

Abigail Beck - Foto: Reprodução/Facebook

Uma adolescente alérgica à água afirma que não pode chorar ou tomar banho regularmente porque tem erupções cutâneas dolorosas na pele. Abigail Beck, de 15 anos, que mora em Tucson, Arizona (EUA), só foi diagnosticada com urticária aquagênica no mês passado, depois que seus sintomas surgiram há três anos. O caso vem viralizando na última semana em todo mundo.

A condição extremamente rara, estimada em uma em 200 milhões de pessoas, causa a formação de urticária quando a pele entra em contato com a água. Abigail disse que quando chove ou ela toma banho pode parecer ‘ácido’, forçando-a a se lavar apenas uma vez a cada dois dias.

Segundo o site Daily Mail, ela não toma um copo de água há mais de um ano porque isso a faz vomitar. Em vez disso, ela prefere bebidas energéticas ou suco de romã, que têm menor teor de água.

Os médicos foram forçados a dar-lhe pílulas de reidratação e estão considerando dar-lhe intravenosas regulares para obter mais fluídos no futuro, se sua condição não melhorar.

Abigail experimentou os sintomas agonizantes pela primeira vez em 2019, aos 13 anos, quando começou a puberdade. Embora menos de 100 casos tenham sido registrados, normalmente ocorrem durante este período crucial de desenvolvimento.

Sua causa não é clara, mas acredita-se que a condição pode ser devido a uma substância na água que desencadeia uma resposta imune. A maioria dos casos ocorre aleatoriamente, sem história familiar da doença, segundo informou o Daily Mail.

A chuva parece ‘ácida’ e a lavagem faz com que sua pele erupcione em erupções, forçando-a a tomar banho apenas uma vez a cada dois dias – Foto: Arquivo Pessoal

“PARECE ÁCIDO”

Devido à raridade da condição, pouco se sabe sobre a melhor forma de tratá-la. As terapias normalmente incluem anti-histamínicos, tratamentos com luz UV, esteróides, cremes que atuam como uma barreira e banhos de bicarbonato de sódio.

Abigail adiou ir ao médico por medo de que pensassem que ela era ‘louca’ e só criou coragem este ano. “Demorou muito tempo para ser diagnosticada. Ele progrediu lentamente e começou a piorar com o tempo. Quando chovia, doía muito, parecia ácido”, contou ela sobre a rara alergia.

“Achei normal, então perguntei à minha mãe se a chuva parecia ácida para ela quando chovia e ela disse que não. Perguntei à minha mãe recentemente se ela se lembra de mim perguntando isso e por que ela não achou que algo estava errado. Ela disse que achava que era algo que uma criança diria”, contou ela.

Inicialmente, ela pensou que havia algo errado com a água em sua casa ou que ela poderia estar tendo uma reação à loção para a pele. Mas com o passar do tempo os sintomas pioraram e ela percebeu que outras pessoas não estavam sofrendo da mesma forma que ela.

Agora, a condição tomou conta de sua vida, interrompendo sua capacidade de tomar banho, se exercitar e até chorar. “Minhas próprias lágrimas causam uma reação em que meu rosto fica vermelho e queima muito”, disse ela. “Eu choro como uma pessoa normal e dói. As lágrimas são uma das piores partes disso, porque quando você chora, suas lágrimas não devem queimar sua pele”, revelou.

Abigail só pode beber uma pequena quantidade de água de cada vez e toma anti-histamínicos e esteróides para combater as reações. “Ele dirige minha vida, mas eu não quero. Eu vomito se bebo água, meu peito dói muito e meu coração começa a bater muito rápido”.

Ela teve uma reação a uma bebida esportiva recentemente que causou cãibras no estômago e dor no peito por quatro horas. “Eu tenho que verificar os rótulos, mas tudo neste mundo tem água. A última vez que bebi água foi há um ano”, acrescentou ela.

“Tenho medo de que, se um dia sair do controle, ninguém saberá o que fazer, inclusive eu. Eu nem sei como me ajudar. Eu tento manter o bom humor e sei que se algo acontecer, as pessoas ao meu redor farão o melhor que puderem”, disse a adolescente.

Médicos também não sabem como tratar Abigail, que vive com várias restrições devido à alergia rara
Imagem: Reprodução/Facebook

FALTA DE INFORMAÇÃO

Abigail disse que a parte mais assustadora da doença é a falta de informação, já que a condição é tão rara. “Não tenho ideia do que pode acontecer, o que é assustador para mim. Eu nunca tenho vontade de beber água, não quero beber, o gosto é ruim para mim”, contou ao Daily Mail.

Agora, ela está falando para aumentar a conscientização sobre a condição e ajudar a educar as pessoas na esperança de que elas sejam mais compreensivas sobre isso. “É realmente frustrante. As pessoas me pedem para explicar como funciona e eu posso, mas não posso explicar porque isso acontece porque ninguém sabe ou entende”.

“Eu tive que educar meus médicos sobre minha condição porque eles nunca tiveram que passar por isso antes. “Quando digo às pessoas que sou alérgico à água, as pessoas pensam que é absolutamente ridículo e muitas pessoas ficam chocadas com isso. As pessoas sempre apontam que nossos corpos são feitos de água”.

“Algumas pessoas fazem perguntas com as quais eu estou bem porque eu gostaria de ajudar a educar alguém, então estou aberto a responder perguntas”, finalizou ela.

Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe um Comentário













+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página