Conecte-se conosco

Gospel

Para Leonardo Gonçalves o hino ‘O Nosso General é Cristo’ lembra torturas nas ditaduras passadas

Publicado

em

Cantor gospel Leonardo Gonçalves - Foto: PH Crispo

Um dos artistas do meio evangélico que saiu em defesa de Kleber Lucas por críticas ao hino da Harpa Cristã ‘Alvo Mais Que a Neve’ foi Leonardo Gonçalves. Além de argumentar o porquê Kleber estava certo, o cantor gospel também citou outras canções que com o passar dos anos perderam os sentidos originais, na visão dele.

Uma das canções citadas por ele foi ‘O Nosso General é Cristo’, que segundo ele, pode não ser bem recebida por pessoas que foram torturadas durante as ditaduras militares que aconteceram na América Latina.

“Depois de incontáveis ditaduras militares na América Latina com uma penca de militares e até generais comprovadamente torturadores, em especial pra alguém, por exemplo, que foi torturado por um general, como você acha que soa cantar ‘o nosso general é Cristo’?”, disse o cantor no Twitter.

A declaração veio após uma série de tweets na plataforma em defesa de Kleber Lucas.

“Vamos às expressões musicais. É natural que tenhamos memória afetiva com um monte de hinos que são cantados nas igrejas em que crescemos, e essa memória afetiva é algo extremamente poderoso e não deve ser subestimada. A relação entre cultura e arte como linguagem é complexa. Mas PRECISA ser ao menos POSSÍVEL fazer certas perguntas. E nem estamos falando em questionar em sua ORIGEM. mas questionar o uso HOJE. E pra isso precisamos de SENSIBILIDADE e de ouvir o OUTRO”, escreveu em uns dos tweets.

Em suas declarações, Leonardo Gonçalves também fala que essas canções são responsáveis por uma suposta visão “bélica” que muitos evangélicos têm. “A visão bélica que grande parte dos evangélicos de hoje têm do Evangelho e do evangelicalismo e do próprio Deus passa também pelas músicas. Muitas delas marchas. Muitas usando linguagem de guerra e expressões como ‘general’ e etc”, disse.

Publicidade

O artista também falou de várias canções no hinário da Igreja Adventista do Sétimo Dia que usam as palavras “gozo” e “gozar” – que significam alegria. “Vou dar um exemplo ridículo pra ilustrar: tinha um monte de hino, pelo menos no hinário adventista, que continha a palavra ‘gozar’ ou ‘gozo’. Você vai me dizer que o significado dessa palavra não mudou? Tanto mudou que foram substituindo essa palavra porque estava ridículo!”.

Então, Leonardo destaca que a canção ‘o Nosso General é Cristo’ traz uma lembrança triste para quem foi torturado em ditaduras militares. “De igual modo, depois de incontáveis ditaduras militares na américa latina com uma penca de militares e até generais comprovadamente torturadores, em especial pra alguém, por exemplo, que foi torturado por um general, como vc acha q soa cantar ‘o nosso general é Cristo’?”.

Por fim, Leonardo diz que pode ser chamado de “militância”, mas que toda essa explicação é em prol da “sensibilidade”. “E a fala original é do Kleber Lucas, um homem preto que cresceu na favela. Sua fala está marcada pela sua experiência. Você não consegue ter sensibilidade para OUVIR e REFLETIR?”, questionou.

Publicidade

Entenda o que motivou essa polêmica, depois de uma entrevista recente de Kleber Lucas.

Publicidade

+ Acessadas da Semana