Conecte-se conosco

Minas Gerais

Cantor que chamou Jesus de “travesti” tem show cancelado em MG

O anúncio do cancelamento do show foi feito pela Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (FCCDA)

Publicado

em

Show de Johnny Hooker em Itabira é cancelado - Foto: Reprodução/Instagram

O Festival de Inverno de Itabira, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG), cancelou o show que o cantor Johnny Hooker realizaria no dia 9 de julho. Em 2018, o artista fez uma declaração polêmica dizendo que Jesus é travesti.

O anúncio do cancelamento do show foi feito pela Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (FCCDA). O órgão, no entanto, não informou o motivo, mas disse que foi algo “em comum acordo com a produção” do cantor.

“Todos os demais artistas e eventos estão devidamente confirmados, o que já garante ser este o maior e mais representativo Festival de Inverno nesse quase meio século de realização do mesmo. A Cultura segue sendo valorizada, democratizada e popularizada na terra de Drummond”, declarou a FCCDA.

O cancelamento veio após ser realizado um abaixo assinado online feito para o artista não se apresentar no evento. “Este manifesto é contra a contratação com verbas públicas do ‘artista Jhonny Hooker’ que fere todos os princípios da família cristão itabirana”, foi escrito em um trecho do texto que embasou o abaixo assinado.

Em outra parte, foi acrescentado: “Este não é o tipo de cultura que queremos para as nossas crianças e jovens, até porque a apresentação deste determinado cantor fere todos os direitos fundamentais do Estatuto da Criança e do Adolescente”. Até o fechjamento desta matéria, o documento já havia assinado por 1.300 pessoas.

O cancelamento do show revoltou fãs que, nas redes sociais, definiram essa decisão como um ato homofóbico e de censura, já que o artista é gay. Um novo abaixo assinado foi lançado, desta vez “contra o boicote e a intolerância ao show de Johnny Hooker”.

Na época, Johnny Hooker explicou sobre a sua declaração polêmica dizendo que Jesus é travesti. “Falei que Jesus é [travesti]. Não falei da figura histórica, falei do que a figura representa. É diferente”, explicou ele a QUEM.

“Não foi uma decisão minha cancelar o show em Teresina, foi decisão deles. Mas acho delicado, porque abre um precedente ruim na comunidade LGBTQI no Brasil. A gente não pode dar vitória para pessoas com discurso de ódio ou extremistas”, disse.













+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página