Conecte-se conosco

Gospel

Felippe Valadão é acusado de intolerância contra a umbanda após discurso

Publicado

em

Pastor Felippe Valadão - Foto: Reprodução/Redes Sociais

O pastor Felippe Valadão, da Igreja Batista da Lagoinha em Niterói, esteve em um evento na cidade de Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio, nesta quinta-feira (19/05). Na ocasião, o líder religioso pregou para uma multidão de moradores, no entanto, uma de suas falas viralizou e está dando o que falar na web.

Felippe, em um intervalo do show, subiu ao palco e fez um discurso onde pregou que a Igreja estava de pé diante das oferendas supostamente feitas por fiéis da umbanda. “De ontem para hoje tinha quatro despachos aqui na frente do palco. Avisa aí para esses endemoniados de Itaboraí: o tempo da bagunça espiritual acabou, meu filho. A igreja está na rua!!! A igreja está de pé!!!”, falou.

Na Umbanda, as oferendas normalmente também são conhecidas por ‘despachos’. Também há o conceito de comida ritual, pratos típicos feitos para agradar determinado orixá.

Logo em seguida, Valadão disse que por causa disso [da Igreja de pé], muito centro de umbanda será fechado. “E ainda digo mais: prepara para ver muito centro de umbanda sendo fechado na cidade!”, emendou.

Felippe também declarou vir “um tempo aí”. “Deus vai começar a salvar esses pais de santo que tem na cidade. Você vai ver coisas que você nunca viu na vida. Chegou o tempo, Itaboraí! Aquele espírito maligno de roubalheira na política acabou”, afirmou. Assista:

A fala logo viralizou, isso porque o evento foi filmado. A declaração do pastor sobre os centros de umbanda chegou até a Comissão de Povos Tradicionais de Terreiros de Itaboraí, que divulgou uma nota de repúdio nesta sexta-feira (20/05).

“Em sua fala, o pastor agride de maneira vil, desrespeitosa e ameaçadora à comunidade religiosa do candomblé e da umbanda nesta cidade”, diz.

A entidade também questiona “o motivo de uma manifestação festiva, popular e laica ter em sua programação discursos de cunho religioso”, disse em nota. “O Deus que conhecemos não compactua com sua megalomania, loucura e arrogância”, completou.

Segundo o portal g1, o relator da CPI da Intolerância Religiosa, na Assembleia Legislativa do Rio, Átila Nunes (PSD) vai acionar o Ministério Público para que investigue o uso de dinheiro público pela Prefeitura de Itaboraí para realização do evento.

Itaboraí está comemorando 189 anos com uma série de shows. Nesta quinta (primeiro dia de apresentações) cantaram os cantores gospel Bruna Karla, Mariana Valadão, Gabriel Guedes e Michelly do Valle, além de Felippe Valadão.

“O ódio religioso promovido e financiado por Itaboraí precisa ser investigado. Preparamos uma representação ao Ministério Público contra o autointitulado pastor e contra o prefeito de Itaboraí, que patrocinou o show de horrores com dinheiro público. Também vamos pedir que a Decradi entre no caso para que ameaças contra a liberdade de toda a diversidade não sejam banalizadas. Não vamos permitir que a violência volte a silenciar os cultos afro-brasileiros no Rio”, afirmou Átila.

A prefeitura municipal da cidade foi procurada e informou que declarações dos convidados e artistas para as apresentações “são de inteira responsabilidade deles”. “A prefeitura destaca ainda que o governo é para todos, que repudia qualquer manifestação de intolerância religiosa e ressalta que o Estado é laico”.

  • RECEBA NOTÍCIAS DO PORTAL DO TRONO DIRETAMENTE DO WHATSAPP!













+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página