Conecte-se conosco

Gospel

Fundador da Portas Abertas, Irmão André, morre aos 94 anos

Publicado

em

Anne Van der Bijl - Foto: Arquivo Pessoal

Morreu nesta terça-feira (27/09), Anne van der Bijl, mais conhecido como Irmão André, fundador da Portas Abertas – o mais antigo ministério internacional em favor dos cristãos perseguidos. Ele tinha 94 anos e faleceu em sua casa em Ermelo, na Holanda. A notícia da morte foi lamentada por religiosos e seguidores da organização cristã.

Seu ministério nesta área começou em 1955, quando foi com uma delegação holandesa ao Festival Mundial da Juventude Comunista na Polônia. Lá, ele descobriu uma igreja cristã por trás da Cortina de Ferro que precisava de Bíblias desesperadamente.

Ali, o Irmão André distribuiu uma mala cheia de literatura cristã, marcando assim o humilde início da Portas Abertas. A base para o começo do trabalho foi Apocalipse 3.2: “Esteja atento! Fortaleça o que resta e que estava para morrer”.

O Irmão André viu com os próprios olhos as consequências das guerras no Oriente Médio e fortaleceu irmãos na região – Foto: Divulgação/Portas Abertas

Segundo a Portas Abertas, estima-se que o Irmão André tenha visitado 125 países e percorrido mais de um milhão de milhas em suas viagens para pregar o evangelho e fazer amizade com pessoas em necessidade.

Irmão André, cujo nome é Anne van der Bijl, nasceu em Witte, na Holanda. Ele era um dos seis filhos de um ferreiro e de uma dona de casa. Se tornou um pioneiro na missão de levar Bíblias e esperança a centenas de cristãos que vivem em países fechados para o evangelho. E por causa disso, virou destaque no mundo pela ousadia em dizer sim ao chamado de Jesus.

A conversão de Anne aconteceu em 1950 e, cinco anos depois, passou a rodar pelos países comunistas com um fusca azul abarrotado de Bíblias para entregar aos cristãos locais. Foi nessa época que ele adotou o pseudônimo Irmão André, como é conhecido mundialmente hoje. Em uma viagem que fez pela Alemanha Oriental, um pastor o comparou ao José do Egito que procurava os irmãos a pedido de Jacó.

Com a criação da Portas Abertas, a principal missão do Irmão André e de outros parceiros era levar encorajamento para os cristãos que viviam no Leste Europeu e na União Soviética. Mas, com a queda do Muro de Berlim e fim da Guerra Fria e do Império Soviético, novos objetivos foram traçados.

“Assim, com a abertura oficial do bloco soviético, nós deslocamos uma parcela maior de nossos recursos para outras regiões onde a igreja sofre nas mãos de governos opressores, especialmente no mundo muçulmano”, justifica o líder cristão. Muitos países mudaram, mas a missão continua a mesma: “Fortaleça o que resta e que estava para morrer”, Apocalipse 3.2.

Sua autobiografia, “O Contrabandista de Deus”, é um best-seller internacional. Desde 1967, mais de 10 milhões de cópias do livro já foram vendidas em mais de 40 idiomas. Em 2015, foi lançada uma edição do livro atualizada em comemoração aos 60 anos da Portas Abertas. A versão inclui um epílogo de 25 páginas destacando suas “aventuras” posteriores à primeira publicação do livro.

Em 2022, a Portas Abertas comemorou 67 anos de ministério e atua em mais de 60 países. A missão conta com mais de 1.400 colaboradores globalmente, com o propósito de apoiar e fortalecer cristãos perseguidos e igrejas em países onde há perseguição.

Irmão André sempre dizia: “Nossa missão se chama Portas Abertas porque acreditamos que todas as portas estão abertas, em todo o tempo e em qualquer lugar. Eu literalmente acredito que toda porta está aberta para ir e pregar o evangelho, desde que você esteja disposto a ir e não esteja preocupado em voltar”.

“O Irmão André levou a Portas Abertas a lugares onde a maioria dos cristãos não iria. Sua rede subterrânea de cristãos locais ajudou na distribuição de milhões de Bíblias a cada ano em todo o mundo, bem como no treinamento de centenas de milhares de líderes cristãos. O ministério também assiste a Igreja Perseguida por meio de ajuda socioeconômica, alfabetização, treinamento vocacional, entre outras frentes de atuação, nos países mais perigosos do mundo”, diz uma nota publicada pela organização nesta terça.

Irmão André – Foto: Divulgação/Portas Abertas







+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página