Conecte-se conosco

Política

Governo Lula declara apoio a denúncia contra Israel por genocídio

Publicado

em

Governo Lula declara apoio à denúncia contra Israel por genocídio na Corte de Haia

O governo brasileiro anunciou seu apoio à denúncia da África do Sul à Corte Internacional de Justiça da ONU sobre as alegações de genocídio cometido por Israel contra o povo palestino na Faixa de Gaza. A iniciativa sul-africana foi protocolada em 29 de dezembro de 2023.

O documento sul-africano baseia-se na violação da convenção internacional contra o genocídio, descrevendo cinco práticas, entre elas, causar danos físicos ou mentais graves, infligir condições de vida que comprometam a sobrevivência e transferir crianças de forma forçada.

O anúncio do apoio ocorreu após uma reunião entre o presidente Lula e o embaixador palestino Ibrahim Alzeben. Em comunicado, o governo afirmou que “o presidente manifestou seu apoio para que determine que Israel cesse todos os atos e medidas que possam constituir genocídio.”

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) expressou desaprovação à posição do governo brasileiro, declarando em nota: “É frustrante ver o governo brasileiro apoiar uma ação cínica e perversa como essa, que visa impedir Israel de se defender de seus inimigos genocidas.”

O presidente Lula, ao se reunir com o embaixador palestino, destacou a condenação prévia do Brasil aos ataques do Hamas em 7 de outubro de 2023. No entanto, ressaltou que tais atos não justificam o uso desproporcional de força por Israel, citando mais de 23 mil mortes, predominantemente mulheres e crianças, e uma situação de colapso nos serviços essenciais em Gaza.

Diante das violações ao direito internacional humanitário, o presidente expressou apoio à iniciativa sul-africana e reiterou a defesa da solução de dois Estados para o conflito Israel-Palestina.

Leia a nota completa do governo brasileiro:

“O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu hoje (quarta-feira) o embaixador da Palestina em Brasília, Ibrahim Alzeben, para discutir a situação dos palestinos na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, depois de decorridos mais de três meses da presente crise.

O presidente Lula recordou a condenação imediata pelo Brasil dos ataques terroristas do Hamas em 7 de outubro de 2023. Reiterou, contudo, que tais atos não justificam o uso indiscriminado, recorrente e desproporcional de força por Israel contra civis.

Já são mais de 23 mil mortos, dos quais 70% são mulheres e crianças, e há 7 mil pessoas desaparecidas. Mais de 80% da população foi objeto de transferência forçada e os sistemas de saúde, de fornecimento de água, energia e alimentos estão colapsados, o que caracteriza punição coletiva.

O presidente ressaltou os esforços que fez pessoalmente junto a vários chefes de Estado e de governo em prol do cessar fogo, da libertação dos reféns em poder do Hamas e da criação de corredores humanitários para a proteção dos civis. Destacou, ainda, a atuação incansável do Brasil no exercício da presidência do Conselho de Segurança em prol de saída diplomática para o conflito.

À luz das flagrantes violações ao direito internacional humanitário, o presidente manifestou seu apoio à iniciativa da África do Sul de acionar a Corte Internacional de Justiça para que determine que Israel cesse imediatamente todos os atos e medidas que possam constituir genocídio ou crimes relacionados nos termos da Convenção para a Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio.

O governo brasileiro reitera a defesa da solução de dois Estados, com um Estado Palestino economicamente viável convivendo lado a lado com Israel, em paz e segurança, dentro de fronteiras mutuamente acordadas e internacionalmente reconhecidas, que incluem a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, tendo Jerusalém Oriental como sua capital.”

Leia a nota da Confederação Israelita do Brasil:

A Conib condena a decisão do governo brasileiro de apoiar a ação da África do Sul na Corte Internacional de Justiça de Haia que acusa Israel de genocídio. Essa decisão do governo diverge da posição de equilíbrio e moderação da política externa brasileira. A ação sul-africana é uma inversão da realidade. O conflito atual começou depois das atrocidades dos terroristas do Hamas contra a população de Israel, que matou indiscriminada e barbaramente mais de 1.200 pessoas, no ataque mais mortal contra o povo judeu desde o Holocausto. Israel está apenas se defendendo de um inimigo, ele sim, genocida, que manifesta abertamente seu desejo genocida de exterminar Israel e os judeus. Nesta terrível guerra iniciada pelo Hamas, as forças de Israel tomam precauções que nenhum outro exército tomou para preservar a população civil, alertando sobre ataques em áreas urbanas, orientando civis a saírem da zona de conflito, permitindo ajuda humanitária. O Hamas se esconde covarde e deliberadamente atrás dos civis de Gaza porque suas mortes são usadas como arma contra Israel na opinião pública mundial. É frustrante ver o governo brasileiro apoiar uma ação cínica e perversa como essa, que visa impedir Israel de se defender de seus inimigos genocidas.

🔔 SIGA O PORTAL DO TRONO NO WHATSAPP. CLIQUE AQUI PARA RECEBER NOTÍCIAS DIRETO NO SEU CELULAR!

+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página