Conecte-se conosco

Mais Conteúdo

Líder religioso é indiciado por venda de ‘cura’ contra covid, câncer e autismo

Publicado

em

Segundo investigação, família do religioso chegou a faturar US$ 120 mil (equivalente a R$ 600 mil) - Foto: Divulgação

Um líder religioso da Flórida, nos Estados Unidos, que estava foragido por alguns anos após ser acusado de vender um alvejante industrial como cura para doenças como Covid-19, câncer, autismo, Alzheimer e malária por meio da sua igreja, e que havia sido preso na Colômbia, foi extraditado para os EUA.

Mark Grenon, de 64 anos, é líder da Igreja Genesis II da Saúde e da Cura, e, de acordo com a Justiça dos Estados Unidos, criou a entidade religiosa para vender a MMS (sigla em inglês para Solução Mineral Miraculosa).

Além de Mark Grenon, que fugiu para a Colômbia enquanto o caso criminal se desenrolava, os três filhos do americano, Jordan, Jonathan e Joseph, também respondem pelo mesmo crime. Eles fabricavam o produto de forma artesanal na casa deles, continha uma composição de elementos que, somados, formavam um alvejante tóxico, usado comumente na indústria para tratamento de tecidos e no manejo de celulose e papel.

A investigação mostra que a família chegou a faturar US$ 120 mil (equivalente a R$ 600 mil) com a venda dos produtos. “Os Grenons venderam dezenas de milhares de garrafas de MMS em todo o país, inclusive para consumidores em todo o sul da Flórida”, disseram os promotores em comunicado. “Eles venderam esse produto perigoso sob o pretexto de Genesis II Church of Health and Healing, uma entidade que são acusados ​​de criar para evitar a regulamentação governamental do MMS e se proteger de processos judiciais”.

Com a repercussão do caso, um juiz de Miami ordenou, ainda em 2020, que o produto tivesse a venda suspensa no país. Na ocasião, o líder da igreja fugiu para a Colômbia, sendo preso meses depois. Com a volta aos EUA, o homem e os três filhos adultos dele foram indiciados por conspiração e fraude.

Nesta quinta-feira (28/07), Mark Grenon fez sua primeira aparição em um tribunal federal, para responder às acusações. O julgamento dele, no entanto, só deverá acontecer em setembro. Ele estava desde 2020 preso na Colômbia a pedido da Justiça americana.

Segundo o site Miami Herald, o MMS é uma solução química contendo clorito de sódio e água que, quando ingerida por via oral, se transforma em dióxido de cloro, um poderoso alvejante normalmente usado para tratamento de água industrial ou branqueamento de tecidos, celulose e papel.

O produto causava naqueles que o consumiam reações como náuseas e vômitos. Segundo a investigação dos EUA, há relatos de mortes causadas pelo consumo do MMS.

Apesar de se intitular como “igreja”, a Genesis II afirma não ter qualquer vínculo com religião específica, funcionando como uma “comunidade de saúde alternativa”. Mesmo com o relato de mortes causadas pelo medicamento, a igreja ainda conta com apoiadores, que chegaram a fazer uma vaquinha virtual e um site pedindo a “libertação” do homem e dos seus três filhos.

+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página