Conecte-se conosco

Mais Conteúdo

Quatro pastores foram presos e 13 flagrados incitando ataques, diz levantamento

Publicado

em

Ao menos quatro pastores participaram diretamente dos atos de vandalismo no dia 8 de janeiro, em Brasília, e foram presos pela Polícia Federal, segundo levantamento da Agência Lupa, produzido pela Lagom Data.

Ainda segundo a agência, o número de líderes religiosos envolvidos na invasão aos prédios dos três poderes pode ser maior.

Pelo menos outros 13 líderes evangélicos aparecem na base de dados incitando ou aderindo às invasões ao Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal e Palácio do Planalto.

Entre os já encaminhados às penitenciárias do Distrito Federal está Francismar Aparecido da Silva, que se apresenta como “pastor presidente” da igreja Ministério Evangelístico Apascentar.

Segundo a agência, nas postagens mais recentes no Facebook, Francismar questiona: “Se não tiver luta, como vai ter vitória?”. Em resposta, ele colhe comentários com a palavra “amém”. A igreja de Francismar tem sede em Itajubá (MG) e consta na Receita Federal como sendo uma entidade ativa.

Outro pastor preso por conta das manifestações é João Marciano de Oliveira, de 47 anos, dono da igreja Jesus Cristo é a Razão do Meu Viver, em Ribeirão das Neves (MG).

Publicidade

No Facebook, ele prega “limpeza do STF” e posta fotos com elogios ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e a sua mulher, Michelle. A entidade dirigida por ele está ativa.

Outro pastor, Donizete Paulino da Paz, de 56 anos, é dono da Igreja Assembleia de Deus – Ministério O Deus das Nações, ativa e com sede em Luziânia (GO). Nas redes sociais de Donizete há apenas uma foto publicada, em que ele aparece pregando em um culto.

Também aparece na lista o pastor Jorge Luiz dos Santos, de 57 anos, presidente da Igreja Evangélica Amor de Deus João 3:16, de Itaverava (MG). A instituição foi fundada em 14 de julho de 2016 e permanece ativa. A Lupa não localizou as redes sociais do religioso.

Publicidade

Uma análise das denúncias feitas de forma espontânea e anônima nos atos mostra que, pelo menos, outros 13 líderes religiosos foram flagrados incitando, celebrando ou mesmo aderindo à depredação em Brasília.

“Estou no Senado Federal aqui, ó, missionário Felicio Quitito, servo do Deus vivo”, exclama o pastor, enquanto se senta em uma das poltronas azuis que compõem a mesa do Congresso. “É isso aí. Jair Messias Bolsonaro, você vai estar voltando para esta nação e continuará o seu governo”.

A secretaria de administração penitenciária do DF divulgou no dia 13 os nomes de todos os 1.398 presos pelos atos em Brasília. A lista pode ser acessada AQUI!

Publicidade

+ Acessadas da Semana