in

Após iminência de vitória, Serviço Secreto dos EUA aumenta segurança de Biden

O Serviço Secreto, a agência de segurança encarregada da proteção dos presidentes dos Estados Unidos, vai enviar mais agentes para a cidade de Wilmington, em Delaware, nesta sexta-feira (6). As informações são do G1.

Publicidade

Segundo informações do jornal “The Washington Post”, espera-se que Joe Biden faça um discurso de vitória na cidade. O democrata está à frente do republicano Donald Trump, atual presidente, na eleição de 2020, segundo projeção da Associated Press.

Assim como o presidente, os candidatos também recebem a proteção de agentes, que, agora, será reforçada.

Biden mora em Wilmington. Ele tem ido a um centro de convenções na cidade para fazer discursos e pronunciamentos. Há expectativa que ele possa fazer um discurso nesta sexta-feira, segundo o jornal.

A autoridade de aviação dos EUA, conhecida pela sigla em inglês FAA, já havia decretado que a área acima da residência de Biden era de interesse de defesa nacional e proibiu voos na região. A medida é válida até o fim desta sexta-feira.

A porta-voz do Serviço Secreto não fez comentários sobre as informações divulgadas pelo jornal. Por segurança, a agência não divulga quais são os seus planos.

PUBLICIDADE

Geralmente, a agência aumenta a proteção logo que fica claro que um dos candidatos será o vencedor.

Biden virou sobre Trump na manhã desta sexta-feira na Geórgia, um dos estados decisivos para a eleição.

Com mais de 99% da apuração projetada, o democrata lidera no estado com menos de mil votos de vantagem para o rival republicano. Biden tem 917 votos a mais que Trump, o que equivale a 0,02 ponto percentual.

A votação no estado ainda não foi concluída e as agências que fazem as projeções não concluíram quem é o vencedor ainda.

No balanço geral da manhã desta sexta-feira (6), a Associated Press indica que Biden conseguiu, até agora, 264 delegados no colégio eleitoral, e Trump, 214.

Publicidade

Hillsong expulsa pastor de Justin Bieber por ‘quebra de confiança’ e ‘falhas morais’

Indicado por Bolsonaro, Nunes Marques julgará ação de Flávio Bolsonaro