Arqueólogos encontram assentamento de Abraão e comprova relato da Bíblia

“Abraão plantou uma tamargueira em Berseba e chamou ali o nome do Senhor, o Deus Eterno.” Gênesis 21:33.

Arqueólogos encontram cidade Bíblica em Israel.
Arqueólogos encontram cidade Bíblica em Israel.

Arqueólogos da Autoridade de Antiguidades de Israel descobriram restos de assentamentos judaicos de 2.000 anos atrás, na cidade de Beersheba, sul de Israel.

As escavações, realizadas em conjunto com a Universidade Ben-Gurion do Negev, revelaram evidências da vida judaica e o dia-a-dia na cidade, incluindo parte de uma lâmpada à óleo decorada com uma menorá de nove braços, bem como vasos de pedra calcária usados ​​pelos judeus por razões de pureza espiritual, uma torre de vigia e muito mais.

Este local em particular – datado do século I d.C. até a Revolta de Bar Kochba em 135 d.C. – também parece mostrar evidências de passagens usadas por rebeldes judeus.

De acordo com os escavadores, o Dr. Peter Fabian, da Universidade Ben-Gurion, no Negev, e o Dr. Daniel Varga, da Autoridade de Antiguidades de Israel, há muita novidade a ser registrada nas descobertas feitas.

“Restos do assentamento cobrem uma área de c. 2 dunams (aproximadamente meio acre) e incluem várias estruturas e instalações, como as fundações de uma grande torre de vigia, instalações de panificação, antigos poços de lixo e um sistema subterrâneo que provavelmente foi usado como um banho espiritual judaico (mikveh). Sinais de uma conflagração descobertos em algumas das estruturas evidenciam uma crise que o assentamento experimentou, provavelmente a da Primeira Revolta Judaica em 70 d.C.”, disseram eles.

O local está situado ao longo da fronteira sul do antigo reino de Judá, ao lado de uma estrada que levava de Tel Beer Sheva (que tem evidências de assentamento do século 8 a.C.) para a planície costeira do sul.

Os pesquisadores estimam que a torre de vigia era de aproximadamente 10 x 10m – cujas fundações foram descobertas na escavação – mostrando o valor estratégico do local ao longo da estrada.

O achado mais excitante foi o fragmento em que a imagem da menorá de nove braços (candelabro) foi revelada.

“Esta é provavelmente uma das primeiras representações artísticas de uma menorá de nove ramos já descoberta”, disse Fabian e Varga. 

“É interessante notar que das poucas lâmpadas encontradas representando uma menorá, estas nunca são de sete ramificações. Isso estava de acordo com uma decisão do Talmud babilônico [escrita durante o exílio babilônico no século 6 a.C.] afirmando que apenas a menorá no Templo poderia ter sete ramos e, portanto, as lâmpadas usadas em contextos domésticos comumente tinham de oito a onze ramos”.

Dezenas de moedas de bronze descobertas no local pertencem ao período do domínio provincial romano. Alguns pertencem a Ashkelon e outros foram têm ligações com cidades de todo o Império Romano.