Bianca Toledo pode ter incitado filho a mentir sobre abusos, diz defesa de ex-marido

Os advogados do pastor Felipe Heiderich, absolvido pela justiça no mês passado da acusação de ter abusado de seu ex-enteado, filho de pastora Bianca Toledo, divulgaram uma nota contando detalhes do processo, que corre em segredo de justiça.

Bianca Toledo e Felipe Heiderich travaram batalha na justiça do Rio de Janeiro.
Bianca Toledo e Felipe Heiderich travaram batalha na justiça do Rio de Janeiro.

A equipe de defesa publicou um texto contando que os laudos apresentados por Bianca Toledo foram descartados pela justiça, pelo fato de terem sido feitos por pessoas próximas à pastora, o que comprometeu a imparcialidade dos mesmos.

“Um dos fatores que levou a deflagração de Ação Penal no ano de 2016 foi a existência de dois laudos fornecidos pela Representante Legal do Menor, que em Juízo, foram descartados por terem sido elaborados por pessoas próximas da Representante do menor e carecem da necessária imparcialidade”, disseram.

Os advogados disseram ainda que a Polícia Civil não constatou em seu laudo oficial que houvesse tido qualquer abuso, e que os peritos concluíram que, possivelmente, Bianca Toledo tivesse influenciado o filho a culpar o ex-padrasto.

“O único laudo oficial produzido pela Polícia Civil deste Estado [Rio de Janeiro], por dois profissionais isentos, qualificados e de larga experiência, não concluiu pela existência de qualquer abuso, verificando também que a suposta vítima foi possivelmente sugestionada pela Mãe para dar falsas informações aos entrevistadores”, continua a nota dos advogados.

Em entrevista recente ao jornal Extra, Felipe Heiderich deu detalhes de como foi tratado enquanto esteve preso em 2016.

“[Os agentes] me deram comida estragada, não me deixavam dormir, não me davam água para beber. Não tinha água pra banho, para as necessidades, não tinha colchão, lençol, nada. As roupas, quem me deram foram os presos. Eu não tinha roupas. Não me davam copos pra tomar o café da manhã. Passei essa semana toda lá. Quando fui liberto por um habeas corpous, sendo inocente – veja bem, sendo inocente -, tinha uma multidão lá fora pra me linchar. Ninguém quis me ouvir.”, lembra ele.

Absolvido pela justiça, Felipe Heiderich conta que pretende seguir a vida a partir de agora, respirando sua liberdade o máximo que puder.

“Porque a gente não esquece (o trauma), a gente lembra sem sentir dor – que é o processo de cura. Estou construindo essas novas memórias. Um olhar, um abraço curam mais do que um discurso. Quando as pessoas tocam em mim levo susto, mas aos pouquinhos vou me recuperando. Foi a fé que me manteve vivo. Fiquei abandonado por três anos. A fé me ajudou muito”, garante.

A pastora Bianca Toledo disse que não iria mais comentar sobre o assunto, para preservar seu filho. Mas à época da absolvição, publicou uma nota oficial sobre o assunto, afirmando que não acredita na inocência do ex-marido.

“Acredito na justiça de Deus. A justiça dos homens é falha. Ainda mais aqui no Brasil, onde casos hediondos demoram 3 anos para serem julgados e ainda falham por falta de flagrante. Estamos em paz com nossa consciência”, garantiu.