in

Bolsonaro se estressa com imitação de Bonner e o chama de ‘canalha sem vergonha’

Em conversa com apoiadores nesta quinta-feira (7/1), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disparou críticas ao apresentador do Jornal Nacional, William Bonner. O mandatário chamou o âncora da TV Globo de “sem-vergonha”. A fala foi proferida em reação a uma reportagem apresentada na noite de quarta-feira (6/1) sobre a suspensão da compra de seringas pelo governo federal. As informações são do Metrópoles.

Publicidade

“William Bonner, sem-vergonha, vai ter seringa pra todo mundo. William Bonner, por que teu salário foi reduzido? Porque acabou a teta do governo. Vocês têm que criticar mesmo. Quase R$ 3 bilhões por ano para a imprensa e, em grande parte, pra vocês. Acabou a grana, William Bonner”, disse Bolsonaro.

Em seguida, Bolsonaro fez críticas à diferença salarial entre Bonner e a co-apresentadora do Jornal Nacional, Renata Vasconcellos e fez alusão à delação do doleiro Dario Messer.

“E outra coisa: que vergonha, você defende tanto o salário igual de homem e mulher, né? Por que a Renata ganha a metade do que você ganha? Por que você não fala do 1 bilhão e 700 milhões de reais rou… desvi… roubados pelo seu patrão Marinho, de acordo com o doleiro Dario Messer?”, disse Bolsonaro.

PUBLICIDADE

A Globo foi procurada pela reportagem para comentar as declarações do presidente da República, mas ainda não respondeu. O espaço permanece aberto para manifestações.

No fim de dezembro, o Ministério da Saúde abriu licitação para adquirir 300 milhões de seringas e assegurar as condições para a vacinação contra a Covid-19, mas só conseguiu oferta para adquirir 7,9 milhões no pregão eletrônico. O número corresponde a cerca de 2,4% do total de unidades que a pasta desejava adquirir.

Segundo o chefe do Executivo, a compra de seringas foi suspensa devido à alta de preços do produto. Nesta quinta, Bolsonaro disse que, se comprasse, seria acusado de superfaturamento.

Publicidade

Filha da cantora gospel Amanda Wanessa tem alta do hospital: “Para glória de Deus”

Pastor Thiago, que defendia a cloroquina, morre de Covid-19 aos 36 anos