Casamento gay coletivo será realizado por igreja evangélica no RN

Um casamento gay coletivo está sendo organizado pela igreja evangélica inclusiva “Cidade do Refúgio”, que foi fundada pela pastora Lanna Holder e sua esposa, Rosania Rocha. O ministério, que é considerado “inclusivo” por aceitar a homoafetividade, começou em São Paulo mas já se expandiu para outros estados do Brasil.

Cena de casamento gay em novela das 21h da Globo.
Cena de casamento gay em novela das 21h da Globo.

Como é o caso de Natal (RN), onde a igreja, que está sob o comando da pastora Daniela Modesto e sua esposa, Kênia Macedo, se programa para realizar uma cerimônia coletiva de casamento gay, a segunda já realizada pela instituição na cidade. Na verdade, a cerimônia abarcará todos os casamentos, tanto héteros quanto gays, e já está com as inscrições abertas para quem desejar participar.

O evento está previsto para acontecer dia 10 de novembro, no Olimpo Recepções. Alguns casais já se inscreveram e devem trocar alianças em breve, no maior casamento gay coletivo do Rio Grande do Norte. Os noivos já estão se reunindo com a direção da igreja, que compartilhou o momento em suas redes sociais:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Reunião de Noivos. Preparação para o II CASAMENTO COLETIVO DA CR NATAL.

Uma publicação compartilhada por Cidade de Refúgio Natal (@cidadederefugio_natal) em

História
Lanna Holder ficou conhecida na década passada, após pregar nos púlpitos pelo Brasil que havia se “curado” da homoafetividade, e logo depois voltar atrás, afirmando que isso não era possível. Criou então a comunidade “Cidade do Refúgio”, para que a comunidade LGBT pudesse frequentar uma igreja que tem uma interpretação diferente da Bíblia sobre a questão gay.

De lá pra cá, ela já realizou diversos casamentos, e reuniu milhares de fieis LGBTs e héteros, em suas igrejas espalhadas por mais de 10 estados do Brasil. E é claro, que acaba sendo bombardeada de críticas pelos mais conservadores, que seguem a linha de ver a homoafetividade como um “pecado abominável”, embora a população gay só cresça, ano após ano.

Tadeu Ribeiro
[email protected]