Conecte-se conosco

Mundo Cristão

Clipe gospel com críticas à orixás e simulação de um confronto armado gera revolta

Publicado

em

Cenas do clipe "Pra Trás da Cruz", de autoria do Pastor Irmão Júlio - Foto: Reprodução

O Ministério Público estadual da Bahia apura uma denúncia apresentada pela Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro Ameríndia (AFA) contra um videoclipe produzido por um grupo evangélico em que associa as figuras de orixás com a violência em Salvador.

A denúncia foi apresentada na última quarta-feira (13/07), e segundo o documento, o vídeo gospel incentiva e propaga o ódio religioso. No clipe, segundo a AFA, os responsáveis desprezam entidades e divindades ligadas às comunidades tradicionais de matriz africana, ligando irresponsavelmente as comunidades de terreiro e divindades do candomblé e umbanda à violência que acontece em áreas periféricas dos centros urbanos.

Em um trecho da música “Pra Trás da Cruz”, de autoria do Pastor Irmão Júlio, os nomes dos orixás Iemanjá, Oxumaré e Exu, além de outros signos referentes às culturas de matriz africana, são citados em forma de crítica e declarando que “a Bahia é de Jesus”.

No clipe, é possível ver uma simulação de um confronto armado entre traficantes em uma comunidade da capital baiana e uma operação da polícia em paralelo. A música, que acompanha o vídeo, ainda cita nomes de diversos bairros periféricos de Salvador.

Após a repercussão do clipe, o Irmão Júlio publicou um vídeo se desculpando pelo ocorrido.

“Confesso que fui infeliz em um pedacinho do clipe. O clipe tem oito minutos, mas tem um pedaço dele que eu fui infeliz. Estou aqui para pedir perdão em nome do senhor Jesus. A minha intenção foi só pregar a palavra”, concluiu o religioso.

“Eu vim aqui para pedir perdão ao pessoal de matriz africana”, começa dizendo. “Minha intenção não foi essa, de ofender alguém, até porque também eu sou falho e pecador, como todo ser humano”, declarou. O clipe foi retirado do ar.

Segundo o site Correio 24 horas, o Ministério Público da Bahia confirmou a instauração do processo e afirmou que já foram tomadas as medidas administrativas e judiciais cabíveis para preservação dos dados referentes à postagem e retirada do vídeo do ar. As medidas, no entanto, são sigilosas.

+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página