in

Criança de 8 anos é presa e processada nos EUA após agredir professora

Um menino de 8 anos foi encaminhado para a delegacia, após agredir uma professora. Policiais que trabalhavam numa escola primária no estado da Flórida, nos Estados Unidos encaminharam a criança.

Publicidade

Imagens de câmeras acopladas ao uniforme dos policias dos Estados Unidos foram divulgadas pelo advogado que representa a mãe da criança e exibidas pela CNN. O processo durou 9 meses até a criança ser inocentada.

A mãe da criança, Bianca N. Digennaro, alega uso de força excessiva por parte da polícia, além de se queixar da não interferência dos funcionários da escola.

O chefe da polícia de Key West, Sean T. Brandenburg, disse que seus policiais não fizeram nada de errado e que seguiram os procedimentos operacionais padrão.

Bianca afirmou, em uma coletiva de imprensa, que seu filho foi levado para a cadeia, e que os policiais fizeram sua ficha criminal. Segundo Bianca, os agentes pegaram as impressões digitais, coletaram amostras de DNA e tiraram fotos do menino.

PUBLICIDADE

Ainda foi afirmado que a criança possui alguns transtornos psicológicos e estava sendo medicado após ser diagnosticado com transtorno déficit de atenção (TDAH), transtorno desafiador de oposição, depressão e ansiedade.

O relatório da polícia explica que uma professora substituta estava supervisionando a turma no refeitório e pediu que o aluno se sentasse direito por diversas vezes. Após a recusa, ela pediu que ele se sentasse ao seu lado, o que foi novamente recusado pelo aluno.

Ainda de acordo com o relatório, a professora teria se direcionado a ele quando começou a ser xingada pelo aluno, que em seguida, disparou um soco no peito dela.

De acordo com o boletim de ocorrência, a escola contatou os pais do menino antes dos policiais o levarem, mas a mãe do aluno estava fora da cidade e o pai chegou na escola antes de o menino ser posto sob custódia.

Publicidade

Casal evangélico é morto a facadas pelo filho após se negarem a dar dinheiro

Amapá está há quase 20 dias sem luz e abandonado à própria sorte: ‘A gente não dorme’