‘Estado é laico, mas sou terrivelmente cristã’, diz ministra Damares Alves

A ministra Damares Alves tomou posse ontem (02) na pasta das Mulheres, Família e Direitos Humanos, criada por Bolsonaro. Advogada, pastora evangélica e ex-assessora parlamentar do ex-senador Magno Malta (ES), ela ficará responsável pelas políticas públicas direcionadas às mulheres, negros e minorias sociais do país, que vivem algum tipo de vulnerabilidade.

Damares Alves será ministra das Mulheres, Família e Direitos Humanos.
Damares Alves será ministra das Mulheres, Família e Direitos Humanos.

E em seu discurso de posse, o recado dado por ela foi claro: “O Estado é laico, mas esta ministra é terrivelmente cristã”. Ou seja, as políticas a serem adotadas por Damares Alves passarão pelas convicções religiosas cristãs da mesma.

Mas apesar de sua fala dura contra o pensamento progressista, a ministra afirmou que todas as bases familiares serão respeitadas no país: “Eu sou uma mulher sozinha com uma filha e nada vai tirar de nós esse vínculo. Nós somos uma família. E todas as configurações familiares serão respeitadas”, garantiu.

Damares Alves é mal vista por grande parte dos movimentos de proteção ao índio e à comunidade LGBT, que enxergam um retrocesso na indicação da ministra. Em entrevista no ano passado, ela disse, porém, que não excluirá nenhum grupo, e que, se for preciso, irá às ruas de mãos dadas com as travestis lutar por seus direitos.

Em seu discurso ontem, a evangélica também ressaltou sua opinião sobre outros temas caros às mulheres e aos direitos humanos. Ela garantiu que se oporá à identidade de gênero nas escolas, e que considera que a vida começa “desde a concepção”, numa clara mensagem contra a flexibilização das regras do aborto no Brasil.

“Neste governo, menina será princesa e menino será príncipe. Está dado o recado. Ninguém vai nos impedir de chamar nossas meninas de princesas e nossos meninos de príncipes”, declarou.

Damares Alves chamou atenção antes mesmo da posse, quando viralizou na internet uma mensagem em que ela aparece na Igreja Batista da Lagoinha (MG), pregando sobre uma experiência que teve ainda criança, onde disse ter visto Jesus Cristo em um pé de goiaba. Tempos depois, ela explicou que tratava-se de um episódio triste, onde foi abusada sexualmente por dois pastores.

Tadeu Ribeiro
[email protected]