Datafolha: Evangélicos são os que mais apoiam Bolsonaro, católicos são mais críticos

O Datafolha divulgou neste domingo (7) pela Folha de S.Paulo os seguintes percentuais de avaliação dos primeiros 100 dias do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Os resultados gerais foram:

  • Ótimo/bom: 32%
  • Regular: 33%
  • Ruim/péssimo: 30%
  • Não sabe/não respondeu: 4%
Avaliação de Bolsonaro é a pior entre todos os presidentes desde 1990.
Avaliação de Bolsonaro é a pior entre todos os presidentes desde 1990.

Esta é a pior avaliação desde 1990 que um presidente da República recebe no início de seu primeiro mandato. Fernando Collor (então no PRN) tinha 19% de reprovação após três meses, contra 16% de FHC (PSDB), 10% de Lula (PT) e 7% de Dilma (PT), muito menor que os 30% registrados por Bolsonaro.

Os números segmentados trazem outros panoramas, no entanto. Quando se considera apenas a avaliação dos evangélicos e católicos, por exemplo, Bolsonaro é visto de formas diferentes entre os segmentos.

Os evangélicos, que apoiaram maciçamente Bolsonaro na campanha do ano passado, registraram um percentual maior de aprovação ao presidente, considerado bom/ótimo por 42% do segmento.

Já entre os que seguem o catolicismo, religião do presidente, o índice de ótimo/bom é de apenas 27%. Os católicos também são mais críticos ao presidente que os evangélicos.

Detalhamento do Datafolha revela que 60% dos católicos veem Bolsonaro como autoritário, 56% como orgulhoso e 55% dizem que ele trabalha pouco.

Entre os evangélicos, 49% dizem que ele é autoritário, 39% que trabalha pouco e 37% que é orgulhoso.

O Datafolha ouviu 2.086 pessoas com mais de 16 anos, em 130 municípios, nos dias 2 e 3 abril. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Questionado no Palácio do Planalto ontem (07), Bolsonaro disse que não comentaria a pesquisa do Datafolha por considerá-la irrelevante.