in

Evangélicos mostram marcas de torturas na China feitas pelo governo

Evangélicos da Igreja do Deus Todo-Poderoso (CAG), que fica na China, quebraram o silêncio em relato ao site Bitter Winter, no qual afirmam que são constantemente punidos e torturados pelo governo por causa de sua fé cristã.

Publicidade

Li Yi (nome fictício, por segurança) relatou que foi presa duas vezes, na província de Anhui, por ter compartilhado o Evangelho anos atrás.

“Três policiais pressionaram o meu rosto no chão, enquanto um quarto estava a bater violentamente nas minhas costas e pernas com um pedaço de pau de 50 centímetros de comprimento, grosso como um rolo. Isso durou pelo menos três horas, até o meu corpo inteiro ficar preto e azul. Os policias não pararam até ficarem cansados ​​e eu perder a consciência”, disse ela.

A mulher conta que as agressões que sofreu repercutem até hoje na sua vida, e que sente dores por conta disso atualmente.

“Eles me arrastaram pelos cabelos, bateram a minha cabeça com força contra uma cadeira, o que me deixou tonta. Ainda tenho uma parte da cabeça, onde nenhum cabelo cresce. Eu continuo com dores de cabeça e dores nas costas, e a minha perna dói em dias úmidos. A dor é tão intensa, que às vezes, mal consigo me mexer”, relata.

Qin Jing (nome fictício, por segurança), foi outra vítima dos abusos cometidos pelo governo Chinês, e revelou violências ainda mais severas que sofreu.

PUBLICIDADE

“Os policias tiraram a minha camisa e ordenaram que eu tirasse os meus sapatos e as meias antes de me torturar num banco de tigres [um dispositivo de tortura]. Estava oito graus abaixo de zero naquele dia, e eles derramaram água fria sobre o meu corpo, enquanto as minhas mãos e os meus pés estavam algemados no banco. Os meus lábios e todo o meu corpo tremiam de frio”, lembra.

O interrogatório foi feito pela Brigada de Investigação Criminal em Anhui, em 2012, e queria descobrir informações sobre líderes da Igreja Deus Todo-Poderoso.

“Quatro policiais derramaram quatro garrafas de óleo de mostarda na minha boca e narinas. Foi tão picante! Senti uma dor extrema na boca, nariz, garganta e estômago. Parecia que estava a pegar fogo, lágrimas e muco não paravam de correr. Os meus lábios incharam, e ficaram inchados com a aparência de salsichas. Não pude comer durante algum tempo”, recorda.

Segundo a igreja, apenas em 2019, quase 4 mil membros da denominação sofreram algum tipo de ameaça ou violência do governo Chinês por conta de sua fé cristã.

Publicidade

Governo quer que presos trabalhem para pagar suas despesas no cárcere

Homem sobrevive à queda de avião em SC: ‘Deus é Deus de milagres’