in

Pastor Márcio Poncio defende sua fábrica de cigarros: ‘Porta de Deus’

O pastor Márcio Poncio, líder da Igreja Pentecostal Anabatista, é o patriarca da família evangélica que mais está nos holofotes das celebridades, principalmente por causa de seus filhos Sarah e Saulo.

Publicidade

Outro ponto destacado na biografia é a sua fortuna, oriunda de uma fábrica de cigarros que possui, a Gudang. O fato gera polêmica, pelo fato dele ser um pastor evangélico.

Em entrevista a Léo Dias, no entanto, o religioso se defende, e diz que iniciou sua jornada nesse ramo do tabaco após a abertura de uma porta de emprego por Deus.

“Estava na Igreja e Deus me disse que estaria me abrindo uma porta de emprego naquela semana. E consegui um emprego, aos 18 anos, em uma fábrica de cigarro. Sofri bullying, as pessoas falavam que eu trabalhava com o diabo, que aquilo não era de Deus, mas como Deus tinha falado que abriria uma porta para mim, fui ficando e fazendo meu melhor. As pessoas me questionavam de como que eu era crente e trabalhava lá”, recordou, apontando que tempos depois conseguiu abrir sua própria fábrica de cigarros.

PUBLICIDADE

Sobre a ostentação de sua família nas redes, ele disse que os filhos faturam algo em torno de R$ 300 mil reais por mês, e que são independentes. Disse, porém, que não concorda com a forma com que o dinheiro estava sendo gasto por Saulo, tempos atrás.

“Saulo fechava um publi de R$ 80 mil para ganhar mês que vem, ele já ia para o shopping e gastava os 80 mil. Gastava tudo que recebia e fazia o ‘showman’ e com isso acabamos virando a família ostentação. Mas eu sou muito contido”, o pastor garante. 

O pastor considera que sua família é, no entanto, “os Kardashians pobres de Caxias”.

Publicidade

Flordelis depõe para explicar adoção ilegal de filha que pais procuravam

Tia da cantora gospel Nívea Soares morre: ‘Ela foi ver o Mestre’