Conecte-se conosco

Mais Conteúdo

Gerson presta depoimento após relatar racismo em jogo: ‘Por todos os negros’

Publicado

em

O meia Gerson, do Flamengo, prestou depoimento nesta terça-feira, na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRADI). Um inquérito da Polícia Civil apura as denúncias do jogador, que acusa o meia Ramírez, do Bahia, de injúria racial. Ao lado do vice-presidente jurídico do clube, Rodrigo Dunshee, o jogador comentou a ocasião, em vídeo divulgado pelo clube. As informações são do O Globo.

“Estou aqui na delegacia, vim falar sobre o ocorrido. Quero deixar bem claro que não vim só para falar por mim. Vim para falar por minha filha, que é negra, meus sobrinhos, que são negros. Meu pai, minha mãe, amigos também, e por todos os negros do mundo sobre o fato que aconteceu. Hoje, graças a Deus, eu tenho um estado de jogador de futebol, onde eu tenho voz ativa para poder falar e dar força para que outras pessoas que sofrem racismo ou outros tipos de preconceito possam falar também”, disse o jogador.

O dirigente do Flamengo também comentou o caso, e o entregou às mãos da Justiça. Em seguimento ao inquérito, outras partes envolvidas no caso devem ser convocadas a depor nos próximos dias.

“O Flamengo está aqui, junto do Gerson, como está sempre junto de todos atletas, para apoiar nesse momento. O Gerson cumpriu seu papel de cidadão, apresentou a representação e agora a questão está entregue à Justiça. A gente espera que a justiça seja feita”, concluiu.

O Flamengo venceu o Bahia por 4 a 3, no último domingo, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro, mas as polêmicas aconteceram após Gerson deixar o gramado reclamando de uma injúria racial do atleta colombiano Juan Pablo Ramirez, do Bahia. O vice-presidente jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee de Abranches, afirmou que o clube irá ao Superior Tribunal de Justiça (STJD) contra o atleta e ao técnico Mano Menezes.

“Além de apoiar o Gerson na esfera criminal, o Flamengo representará ao STJD contra o atleta que ofendeu racialmete o Gerson, assim como o fará contra o Mano Menezes, que apoiou a ofensa racial e chamou de malandragem. Temos que banir o racismo da nossa sociedade”, escreveu Dunshee.

Publicidade

Após a partida, o volante Gerson deixou o gramado reclamando de uma injúria racial do atleta colombiano Ramirez, do Bahia.

“Quero falar uma coisa: tenho muitos jogos como profissional e nunca vim falar nada porque nunca sofri esse preconceito. Quando tomamos um gol, o Bruno Henrique ia chutar uma bola, o Ramirez reclamou e fui falar com ele, que disse: “Cala a boca, negro”, declarou Gerson.

O fato ocorreu aos 7 minutos do segundo tempo, quando o Flamengo vencia por 2 a 1. Nas imagens, é possível ver Gerson inconformado e tirando satisfação com o atleta colombiano. Na hora, o volante do Flamengo contestou os atletas do Bahia sobre a declaração afirmando que “foi chamado de negro”.

Publicidade

“O Mano até falou “Ah, agora você é vítima, não é? O Daniel Alves te atropelou e você não falou nada. Claro, porque teve respeito entre eu e ele. Eu nunca falei de treinador, mas o Mano tem que saber respeitar. Estou vindo falar aqui por mim e por todos os negros do Brasil”, reclamou Gerson.

O Bahia divulgou um vídeo na noite da última segunda-feira no qual o meia Ramírez dá sua versão sobre o episódio envolvendo Gerson, do Flamengo. Acusado de racismo, o colombiano alegou que não falou “cala boca, negro” durante a partida no Maracanã.

“Em nenhum momento fui racista. Nem com Gerson e nem com outra pessoa. Quando fizemos o gol, levamos a bola para o meio para reiniciar o jogo rapidamente. Bruno Henrique segura. Eu começo a correr e digo a ele: “Jogue rápido, irmão. Joga sério”. Ele joga a bola para trás. Gerson me diz algo, mas eu não entendo muito o português. Não entendi o que falou e disse: “Joga rápido, irmão”. Não sei o que ele entendeu e ele começou a me perseguir. E eu sem saber o que tinha acontecido. Eu saí por trás porque não queria brigar com ninguém. Ele disse que eu falei “cala a boca, negro”. Eu não falo português tão fluentemente. Estou há um mês no Brasil. Sobre o fato de ser racista, não estou de acordo. Não é bem visto em nenhuma parte do mundo. Em nenhum momento falei isso, uma palavra tão ruim”, disse Ramírez.

Publicidade

Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe um Comentário

+ Acessadas da Semana