Conecte-se conosco

Mais Conteúdo

Globo envia PIX de R$ 318 mil por engano e homem compra casa

Publicado

em

Globo faz pix errado para homem no valor de R$ 318 mil e caso vai parar na Justiça - Foto: Reprodução

A Rede Globo realizou uma transferência via PIX errada e o dinheiro foi parar na conta de outra pessoa. Ao notar a quantia em sua conta, comprou um imóvel, e a emissora precisou entrar na Justiça para tentar reaver o valor.

No dia 27 de dezembro de 2021, a emissora carioca fechou um acordo judicial trabalhista em que deveria depositar para a outra parte do processo a quantia de R$ 318.600,40.

No entanto, acabou fazendo a transferência errada e o dinheiro foi parar na conta de Marcos Antônio Rodrigues dos Santos. Segundo informações do site Notícias da TV, o homem imaginou que havia recebido alguma promoção e acabou dando entrada em sua casa própria.

Poucos dias depois, a Rede Globo entrou em contato com ele para solicitar a devolução do dinheiro, mas, como já havia investido o valor, Marcos informou que essa opção não era possível, com isso, a emissora global resolveu entrar na Justiça para reverter o caso.

O processo, que corre na 3ª Vara Cível do Rio de Janeiro, está paralisado por decisão do juiz responsável, Luiz Felipe Negrão, que afirmou, no despacho, que o requerimento apresenta “insuperáveis equívocos de ordem processual”.

Segundo o juiz, entre os equívocos apontados, está o valor atribuído pela emissora à causa: mil reais. Para o juiz, se a disputa é por mais de R$ 300 mil, a atribuição não é compatível.

Outro ponto levantado por Negrão é quanto à devolução do valor. Consta no despacho que Santos está inadimplente há dois anos – e, por isso, não teria como devolver o dinheiro.

“Ora, se há um alegado indébito de R$ 318.600,40, o valor da causa não pode ser R$ 1.000. Assim sendo, sem prejuízo de eventual aditamento subsequente, remete o autor sua petição inicial de tutela antecedente, no prazo de 10 dias, adequando-a aos requisitos expostos na presente decisão”, disse o juiz.

A Globo não se pronuncia em casos de processos que ainda correm na Justiça.













+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página