in

Goleiro Bruno se compara: ‘Nem Jesus Cristo agradou todo mundo’

O goleiro Bruno, condenado pela justiça por matar a ex-mulher Eliza Samúdio, falou em entrevista sobre sua contratação pelo Rio Branco Futebol Clube, do Acre, e se comparou a Jesus Cristo.

Publicidade

“Me surpreendeu a forma com que fui recebido no Rio Branco. Por onde passei fui muito bem recebido, mas nem Jesus Cristo agradou todo mundo. Vim aqui para poder trabalhar e sustentar a minha família”, disse ele ao site local AC24h.

Bruno pediu que o passado fosse deixado pra trás, para que ele possa focar no objetivo maior, que é ajudar o clube acreano.

“Vim pra ajudar o Rio Branco. Contribuir pra poder chegar aos nossos objetivos. Estou aqui com toda alma e coração. Temos que deixar de olhar pra algumas coisas e olhar pra um objetivo maior. As pessoas tem que pensar que o passado passou, ficou num momento passado”, considera.

PUBLICIDADE

Bruno Fernandes foi condenado pela justiça do Rio de Janeiro pelo homicídio triplamente qualificado da ex-mulher Eliza Samúdio, além de sequestro e cárcere privado do filho Bruninho. Somadas, as penas chegaram a 20 anos e 9 meses de prisão. Hoje, o goleiro cumpre a pena em regime semiaberto, que permite que o preso possa trabalhar.

Em julho deste ano, a técnica do time feminino do Rio Branco, Rose Costa, pediu demissão e o único patrocinador que havia sobrado no time decidiu encerrar a parceria, após a contratação de Bruno.

“Se a lei é omissa e entende que esse homem cumpriu sua pena, não posso interferir, afinal, não sou formada em Direito. Só que não posso compactuar com isso. Não posso manchar minha história no esporte, até porque, eu sempre digo: nunca será só futebol. É solidariedade e sororidade, também, muito além da prática esportiva. Tenho obrigação de ser um exemplo para as minhas atletas, e esse é o melhor exemplo que posso dar”, disse a então técnica, Rose Costa.

Publicidade

Padre Reginaldo Manzotti: ‘Deus não mandou a pandemia, mas permitiu’

Valdemiro Santiago é processado pelo MPF após vender ‘feijões mágicos’