in

Cunhada defende Ana Paula Valadão: ‘Ela só quer agradar a Deus’

Ana Paula Valadão foi o assunto gospel mais comentado dessa semana, após uma fala dela no Congresso Diante do Trono de 2016 , na qual ela associa os gays à AIDS de forma preconceituosa, viralizar nas redes sociais no último fim de semana.

Publicidade

Após as críticas recebidas por personalidades como Xuxa e Luana Piovani, foi a vez da cunhada de Ana Paula, Cassiane Valadão, fazer um texto em suas redes defendendo a a cantora gospel.

A esposa de André Valadão, que já havia defendido o marido em outra polêmica envolvendo a comunidade LGBT+, disse que Ana Paula é uma mulher de muitas qualidades, e que não mediu esforços para levar milhões de pessoas a Deus através do Diante do Trono.

“Quantos milhões e milhões de pessoas (meu Deus), foram alcançadas, restauradas e transformadas através da vida dela. Gravações mais gravações, ajuntamentos, congressos mais congressos. Tudo pra nos levar mais perto do Pai, nos levar ao arrependimento e a ter uma intimidade profunda com Deus. Seu coração sempre ardeu por isso”, afirmou.

Cassiane Valadão disse ainda que as únicas pessoas que podem julgar a cantora gospel são as que convivem com ela e a conhecem intimamente.

PUBLICIDADE

“Só quem é de casa, quem a conhece intimamente pode falar dela. A gente conhece o seu coração e sabemos o quanto ela só quer agradar a Deus! Ana Paula Valadão, amo você e tenho maior ORGULHO de ser sua cunhada. Me sinto honrada todos os dias por poder caminhar junto e perto de você”, declarou.

A esposa de André Valadão terminou com uma mensagem de encorajamento para a cunhada: “Ninguém vai te calar, ninguém vai nos calar”, opina.

A cantora gospel Ana Paula Valadão, no entanto, está sendo acionada judicialmente para responder pelo crime de homofobia, equiparado pelo STF ao delito de racismo. Entidades LGBT+ veem na fala da líder do Diante do Trono um discurso de ódio preconceituoso que não pode mais ser tolerado.

A pena para o crime de homofobia pode chegar a 5 anos de reclusão. O delito não prescreve, nem pode ser afiançado.

Publicidade

Pastor da Assembleia de Deus em RO morre de Covid-19 e igreja lamenta

Eleições tem nomes exóticos: “Advogado de Deus” e “Capeta” concorrem