in

Vocalista do Preto no Branco diz que meio gospel é machista e homofóbico

Publicidade

Clóvis Pinho, vocalista da banda gospel Preto no Branco, voltou a falar sobre o movimento LGBTQI+, após lançar uma música destinada ao segmento: ‘Meu lugar é Seu amor’.

A canção tem tomado conta de vários segmentos não-evangélicos, por trazer uma mensagem de que a igreja e o amor de Deus é para todos, independentemente de suas identidades de gênero e orientações afetivas.

Em entrevista ao G1, ele afirmou que sente um certo preconceito das igrejas evangélicas com o movimento LGBT, e que isso o incomoda bastante, a ponto de fazer nascer canções gospel como a que foi lançada recentemente por sua banda.

PUBLICIDADE

“A gente sente o reflexo da nossa cultura cristã machista e homofóbica o tempo todo. Decidimos ser a voz de muita gente que não tem. Nós percebemos uma comunidade muito grande dentro da própria igreja, mas que não tinha voz. Ninguém fala sobre o assunto, finge que não existe”, lamenta

Clóvis Pinho foi além, e disse que o Preto no Branco, inclusive, está perdendo agenda por conta de seu último lançamento, mas não se arrepende de tê-lo feito, pois acredita que o amor de Deus deve ser pregado e distribuído a todos.

“A gente perde mais do que ganha, abraçando este tema na nossa comunidade. Nós fechamos portas, perdemos agenda. Não é algo confortável de fazer no nosso meio gospel. Mas decidimos seguir o nosso coração. Jesus não morreu só por heterossexuais. Ele morreu por todos nós”, finalizou o cantor gospel.

O assunto também foi abordado pelo produtor musical do grupo, Alex Passos, que afirmou que a canção lançada com temática LGBT surgiu de um “inconformismo” com a forma como os gays são tratados dentro das igrejas. Assista abaixo o clipe:

Publicidade

Suzy escreve carta assumindo erros e pede perdão: ‘Me arrependi verdadeiramente’

Culto evangélico fechado pode ter alastrado Coronavírus por toda a França