Conecte-se conosco

Mais Conteúdo

Guilherme de Pádua se pronuncia pela primeira vez após assistir série sobre ele

Publicado

em

Guilherme de Pádua voltou para as redes em um momento bastante delicado devido ao lançamento do documentário “Pacto Brutal”, lançado pela HBO Max na última quinta-feira (21/07). A produção conta detalhes do assassinato da atriz Daniella Perez, cometido pelo atual pastor evangélico.

Neste domingo (24/07), Guilherme voltou a falar sobre o documentário. Relembrou que o crime aconteceu quando tinha pouco mais de 20 anos, e hoje ele está com 52 anos. Afirmou que nos últimos dez anos tentou não pensar e relembrar sobre a situação, pois segundo ele, é um passado no qual se envergonha.

No entanto, junto com a esposa, Juliana de Assis Lacerda, Guilherme de Pádua decidiu assistir a série da HBO. Inicialmente, Pádua não queria assistir, mas acabou acompanhando os capítulos do documentário. “É muito ruim você se ver numa situação em que você é o algoz, em que você é o criminoso, não é nada agradável”, disse.

Guilherme contou que já passou noites sem dormir pensando numa forma de voltar ao passado e tentar mudar o que fez. Ele, que chegou à Igreja Batista da Lagoinha, presidida por Márcio e André Valadão, em 1999, conheceu um ministério que resgata presidiários, onde faz parte até hoje.

Segundo ele, a maioria dos ex-presidiários recomeçam suas vidas no anonimato. Diferentemente dele, que sempre é notícia na imprensa pelo crime cometido nos anos 90, e a qual terá seu nome comentado por uns bons anos com o lançamento da série que conta detalhes de seu passado.

Por essa razão, decidiu assistir o documentário para tentar entender como as pessoas passarão a enxergá-lo depois dessa produção, visando até mesmo sua segurança. Ele conta que atualmente existem leis para proteger ex-presidiários de perseguição, mas que não tem conseguido esse benefício ainda.

Publicidade

PARCIALIDADE DA HBO

Segundo Guilherme, a série é “totalmente parcial”, isso é, a produção da HBO escolheu um lado em uma situação. Segundo Pádua, a plataforma de streaming poderia ter investido em realizar uma investigação mais complexa sobre o caso. Na visão dele, a produção não dá o direito do público de fazer suas próprias análises.

Ao assistir o documentário, Guilherme afirmou que a produção ouviu apenas o lado da acusação, e não buscou acrescentar ao documentário a defesa ou opinião da outra parte, que conta também com sua ex-esposa, Paula Thomaz, que hoje atende como Paula Peixoto. Além disso, a HBO fez “Pacto Brutal” sem ter acesso aos autos da Justiça sobre o crime, segundo o pastor.

Diante disso, Guilherme expôs que o documentário deixa uma lacuna para que, talvez uma outra concorrente possa apresentar o lado e as evidências que estão sendo “ocultadas”, segundo ele. Ele fez críticas à HBO. “Imprensa marrom, isso é, imprensa tendenciosa que quer puxar para um lado. Essa série está totalmente baseada somente na versão da acusação”, alegou.

Publicidade

Guilherme de Pádua voltou a falar que já pagou pelo crime, que conquistou espaço na sociedade ao dedicar sua vida como pastor e ajudar o próximo. No entanto, tudo que tem feito após deixar a cadeia, tem sido em vão para a maioria das pessoas. Diante disso, ele revela algo que lhe chamou a atenção após assistir o documentário.

Segundo ele, chegou a ficar sabendo que dois ex-presidiários falaram que assim que saíram da cadeia, apareceu uma pessoa de dentro de um carro preto com vidros escuros lhes oferecendo dinheiro para falar mal dele fora da prisão. Sem citar nomes, Pádua disse que “além de contar uma história totalmente parcial do crime, eles ainda venham a tentar e corromper a minha história atual de vida”.

“Eu acho isso não muito honesto. E eu acho que você [público] não gosta de enganado, na verdade? Então pode aguardar. Se eu trouxer alguma coisa de novidade eu vou dar a oportunidade para você mesmo as suas conclusões”, finalizou ele.

Publicidade

SINOPSE DE PACTO BRUTAL

Em 1992, a atriz Daniela Perez foi brutalmente assassinada pelo colega de elenco Guilherme de Pádua e sua esposa Paula Thomaz. O caso chocou o país e resultou em uma alteração do código penal impulsionada por Gloria Perez, roteirista e mãe da vítima. 30 anos depois do ocorrido, a série documental Pacto Brutal – Caso Daniela Perez irá explorar as investigações e materiais de arquivo para entender o que realmente aconteceu e apresentar a tragédia para uma geração que talvez não conheça a história. Além da participação de Gloria Perez, a produção traz depoimentos de vários rostos conhecidos como Cláudia Raia, Fábio Assunção, Raul Gazolla, Cristiana Oliveira, Maurício Mattar, Wolf Maya e Eri Johnson. Por outro lado, autoridades e advogados envolvidos destrincham os detalhes do caso.

TRAILER DE PACTO BRUTAL

Publicidade

+ Acessadas da Semana