in

Helena Tannure deixa mensagem para solteiros no dia dos namorados

A pastora Helena Tannure utilizou suas redes sociais para compartilhar um texto destinado às pessoas que estão solteiras nesse dia 12 de junho, dia dos namorados.

Publicidade

“Quanta pressão, né! Lembro-me bem do “Dia dos Namorados” sem namorado. Principalmente os últimos. Um sentimento de exclusão misturado a uma sensação de desamparo, sempre me deixava pra baixo”, conta.

Helena Tannure revelou que até os 21 anos nunca comemorou um dia dos namorados, pois vivia sozinha, e que sempre achou mais interessante o “Valentine Days”, versão americana do dia dos namorados, “por incluir também outros afetos importantes, como amigos e colegas próximos.”

A pastora acredita que há muitos afetos que podem passar despercebidos no dia a dia, mas que precisam ser exaltados.

“Celebrar as pessoas que nos ajudam no trabalho, na escola, no dia a dia do serviço doméstico, aqueles que fazem a vida ser mais bonita e melhor, porque limpam as ruas, recolhem o lixo, cuidam dos jardins públicos, entregam a correspondência”, disse.

PUBLICIDADE

Essa poderia, inclusive, ser uma atitude de escape para as pessoas que não estão namorando nesse dia 12 de junho aqui no Brasil.

“Então, nada de ficar se sentindo isolado ou “mal amado”, bora declarar amor aos amigos e também a essas pessoas das quais estamos tão saudosos de ver e abraçar nessa quarentena. Envie uma mensagem, deixe um cartão na caixa de correio, ofereça uma flor. Porque a linguagem do amor é para todos!”, considera.

Helena Tannure finalizou explicando o significado da expressão “namorar”, e fez um trocadilho mais universal sobre o feriado de namorados.

“Namorar vem da expressão Espanhola “estar en amor”, que acabou formando o verbo enamorar, então que tal juntarmos as palavras “humano amor”? Feliz dia dos humanorados! Para todos que se importam com alguém”, concluiu.

View this post on Instagram

Quanta pressão, né! 🙄 Lembro-me bem do “Dia dos Namorados” sem namorado. Principalmente os últimos. Um sentimento de exclusão misturado a uma sensação de desamparo, sempre me deixava pra baixo. Eu tinha quase 21 anos quando celebrei meu 1º dia dos namorados, dois antes do casamento. Sempre achei mais empático o “Valentines Day”, a celebração correspondente no hemisfério norte, por incluir também outros afetos importantes, como amigos e colegas próximos. Celebrar as pessoas que nos ajudam no trabalho, na escola, no dia a dia do serviço doméstico, aqueles que fazem a vida ser mais bonita e melhor, porque limpam as ruas, recolhem o lixo, cuidam dos jardins públicos, entregam a correspondência. O vigia noturno, o porteiro do prédio sempre sorridente, o cara da lanchonete que já sabe nosso pedido antes da gente falar, o profissional de saúde, um monte de gente que faz-nos mais felizes, mais humanos. Então, nada de ficar se sentindo isolado ou “mal amado”, bora declarar amor aos amigos e também a essas pessoas das quais estamos tão saudosos de ver e abraçar nessa quarentena. Envie uma mensagem, deixe um cartão na caixa de correio, ofereça uma flor. Porque a linguagem do amor é para todos! Namorar vem da expressão Espanhola “estar en amor”, que acabou formando o verbo enamorar, então que tal juntarmos as palavras “humano amor”? Feliz dia dos humanorados! Para todos que se importam com alguém.

A post shared by Helena Tannure (@htannure) on

Publicidade

Priscilla Alcantara fala sobre cantar músicas seculares: ‘Jesus nunca condenou’

Filho adotivo diz que Flordelis tenta incriminá-lo para proteger filho biológico