Conecte-se conosco

Mundo Cristão

Hernandes Dias Lopes diz que fica triste sobre pastores irem para a política

Publicado

em

O pastor evangélico Hernandes Dias Lopes - Foto: IPV

O pastor Hernandes Dias Lopes, da 1ª IPB de Vitória e IPB de Pinheiros, conversou com o também pastor Douglas Gonçalves, fundador da JesusCopy, sobre vida cristã e outros assuntos relacionados ao meio evangélico. O encontro foi transmitido no canal da JesusCopy, no YouTube.

Um dos assuntos da conversa foi sobre política. Douglas lembrou que Hernandes já se envolveu um pouquinho com política, e perguntou ao religioso como é a sua visão atualmente sobre cristãos na política. Dias Lopes iniciou dizendo que fica triste quando um pastor evangélico trata como um “sonho” a carreira política.

Segundo ele, embora todas as funções do parlamento – desde vereador a presidente da república -, sejam de extrema importância para a sociedade, os cristãos que querem iniciar carreira política precisam dedicar totalmente aos seus respectivos ministérios, seja pastoral ou de louvor e adoração.

Para o pastor da 1ª IPB, caso um crente queira entrar para a vida política, é necessário ter três atributos, são eles: preparo intelectual, compromisso inarredável com a ética e vocação política. Segundo ele, cumprindo esses três requisitos, o líder religioso evita entrar e cair no que ele chamou de massa de manobra, além de suposto esquema de corrupção no respectivo mandato.

Hernandes Dias Lopes também lembrou que a Igreja Presbiteriana decidiu que qualquer pastor da igreja que queira entrar na política, precisa se desincompatibilizar, ou seja, pedir licença pastoral, para não fazer uma pastoral ruim e misturar as funções. Segundo ele, os crentes precisam estar maduros para a vida política, o que não acontece com muitos.

“Os cristãos precisam estar maduros da vida política, porque é muito triste quando dizem assim pra mim, ‘crente não deve entrar em política’, ‘todo o político é corrupto’ e ‘o poder corrompe’. Não, eu não penso assim. Não é o poder que corrompe, o poder revela os corrompidos”, disse ele.

“O que é vocação política? É exatamente esse espírito público, de entrar na política para servir e nunca ser servido”, finalizou o pastor. Assista:

+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página