in

Homem fica quadriplégico: ‘Não importa, vou servir a Deus mesmo assim’

Nos últimos 14 anos, Mark Grantham é um quadriplégico de nível C5, com paralisia do peito para baixo. Sua paralisia o deixou extremamente limitado na mobilidade de seus braços. Seus dedos e polegares não se movimentam. Ele vive amarrado a uma cadeira de rodas motorizada. As informações são da AGNews.

Publicidade

No entanto, não se pode deixar de se encontrar com Grantham sem se sentir inspirado. O sorriso largo perpétuo exibido por ele, que tem 38 anos de idade, esconde suas restrições físicas. Sua personalidade desarmante, atitude positiva e tremenda fé ilustram que, apesar dos contratempos, ele está vivendo sua vida com um propósito.

“Eu me tornei um quadriplégico C5 em um instante”, diz Grantham. “Mas aprendi a dizer que isso é passado e não posso mudar”.

Grantham não guarda ressentimentos por ter ocorrido um acidente que alterou sua vida ao se voluntariar para ajudar a igreja que frequenta desde os 3 anos de idade, na Assembleia de Deus em Springfield, Missouri (EUA).

Em uma tarde de sexta-feira, em 9 de junho de 2006, Grantham, com certificação de salva-vidas, adiou uma viagem de pesca planejada e, em vez disso, ofereceu seus serviços em uma piscina no terreno da propriedade do acampamento infantil pertencente à igreja.

Mark vive amarrado a uma cadeira motorizada.
Mark vive amarrado a uma cadeira motorizada.

Quando as crianças fizeram uma pausa, Grantham mergulhou em um escorrega de água inflável de um metro e oitenta de altura – que desabou e caiu. Grantham despencou de cabeça no concreto ao lado da piscina, mergulhado em seguida na água. Incapaz de mover seus membros, afundou, prendeu a respiração e esperou ser salvo de se afogar em uma piscina que ficou vermelha de sua cabeça sangrando.

“Não ficar inconsciente foi uma verdadeira bênção”, lembra Grantham. “Eu era o único treinado para lidar com lesões na cabeça e no pescoço.”

PUBLICIDADE

Assim, o homem de 24 anos, gravemente ferido, orientou outras pessoas a cuidar dele clinicamente até a chegada dos paramédicos. Em vez de empurrar Grantham por estradas irregulares, técnicos de emergência pediram um helicóptero para transportá-lo para um hospital local.

Imediatamente, ele foi submetido a uma cirurgia de estabilização do pescoço por cinco horas para fundir as vértebras com pinos e hastes de metal. No dia da lesão, Grantham diz que tinha uma sensação avassaladora de paz e disse a Deus que se nunca se recuperasse, ficaria bem.

Grantham permaneceu em um hospital de Springfield por duas semanas e passou por três meses de terapia intensiva no Craig Hospital, em Denver, o principal centro de reabilitação de lesões na medula espinhal do país. Lá ele viu muitos pacientes perturbados e seus parentes amaldiçoando a Deus por suas condições. 

Grantham repetidamente compartilhou com outras pessoas que vivemos em um mundo imperfeito e que o Senhor não causou sua lesão.

“As circunstâncias do que acontece não são o que importa nesta vida”, diz ele. “É o que fazemos sobre isso. Não consigo imaginar passar por essa jornada – tanto naquela época quanto agora – sem um relacionamento pessoal com Cristo”, acredita.

“Não importa o que aconteça Deus, eu irei te servir. Não importa o que aconteça, Tu és a fonte da minha força”, conclui.

Publicidade

Desembargador é flagrado novamente sem máscara em Santos (SP)

Menino de 11 anos morre após entrar em jaula de ursos e ser atacado