IBOPE aponta queda de Bolsonaro entre evangélicos; Haddad sobe

Os evangélicos seguem como uma fatia do eleitorado brasileiro que tende a ajudar na definição de quem será o próximo presidente da república. Nas últimas semanas, os religiosos migraram em massa para a campanha de Jair Bolsonaro (PSL), mas a 2ª pesquisa IBOPE deste 2º turno aponta que essa tendência diminuiu.

Bolsonaro aumenta e Haddad diminui rejeição entre evangélicos.
Bolsonaro aumenta e Haddad diminui rejeição entre evangélicos.

Bolsonaro perdeu 7 pontos percentuais entre os que se declaram evangélicos, indo de 66% a 59%, enquanto que Fernando Haddad (PT) subiu, de 24% na semana passada para 27% nessa.

Além disso, o potencial de voto e a rejeição dos candidatos entre os evangélicos tiveram mudanças consideráveis. Entre os religiosos, Bolsonaro apresentou queda no potencial de voto e aumento de rejeição, enquanto que Haddad teve aumento do potencial e diminuição da rejeição.

Cerca de 55% dos evangélicos diziam semana passada que votariam “com certeza” em Jair Bolsonaro, número que caiu 12 pontos percentuais, e agora está em 43%. Já os que disseram que não votariam em Bolsonaro “de jeito nenhum” subiu, de 23% na semana passada, para 29% essa semana.

Com Haddad o sentimento foi o inverso: a rejeição dos evangélicos ao candidato despencou, de 60% para 48% essa semana, uma redução de 12 pontos. Já os que disseram que votariam “com certeza” em Haddad subiram de 16% para 22%.

Os analistas acreditam que os evangélicos ajudaram a fazer com que Bolsonaro oscilasse para baixo nos números gerais da pesquisa, indo de 59% para 57%, enquanto que Haddad subiu de 41% para 43%. As mudanças, algumas acima da casa dos 10 pontos percentuais, aliadas às mudanças nos outros segmentos, como entre os mais velhos e o eleitores da região norte/centro-oeste, que também indicaram diminuição da rejeição de Haddad e aumento da de Bolsonaro, devem ter contribuído para a alteração nos números, que ainda mostram uma vantagem larga para o capitão reformado do Exército.

O IBOPE ouviu 3010 eleitores, entre 21 e 23 de outubro, em 208 municípios brasileiros. Foi contratada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S. Paulo, com índice de confiança de 95% e margem de erro de 2 pontos percentuais, para cima ou para baixo. Ela está registrada no TSE sob o n. BR-07272/2018.

Tadeu Ribeiro
[email protected]