Ludmila Ferber desabafa e diz que câncer não é fácil mas mantém fé

A cantora gospel Ludmila Ferber, que está enfrentando um câncer no pulmão, falou abertamente sobre o assunto em entrevista ao site Pleno News, onde contou sobre como descobriu a doença e percebeu que precisava se tratar.

Ludmila Ferber descobriu câncer em abril.
Ludmila Ferber descobriu câncer em abril.

Ela disse que tudo começou quando suas filhas perceberam que ela estava com uma tosse seca há alguns meses, sem melhora, o que a levou a procurar ajuda de um otorrino, para averiguar a causa: “Eu fui descobrindo aos poucos. Eu tinha apenas uma tosse seca, que incomodava as minhas filhas. Elas dizem que eu fiquei com a tosse durante uns 4, 6 meses, eu não lembro de ter sido tanto tempo assim. A gente vai vivendo e não presta atenção, não vê nenhum sinal, nada. Até que eu fui a um otorrinolaringologista e os exames mostraram que tinha alguma coisa fora do lugar, algo que não era tratável de forma simples”, disse.

Ludmila Ferber resolveu trazer à público sua doença, para encorajar outras pessoas que estão passando pelo mesmo problema, ou questões até maiores. Ela disse que não considera que está sendo castigada por Deus, e acredita que o propósito de Deus é que ela viva um milagre em sua vida, embora seja um caminho doloroso a seguir. “Eu creio que vou viver muitos anos para testemunhar algo maravilhoso. Não é fácil e eu não estou achando nada bacana estar vivendo isso. Mas se Deus é por nós, quem será contra nós? Então eu escolho Deus e a Sua vontade”, contou.

Sobre seu tratamento, Ludmila Ferber disse que encerrou o primeiro ciclo de quimioterapia, e que agora os médicos estão analisando qual o melhor procedimento a seguir daqui pra frente. O câncer de pulmão é uma doença que possui altos índices de mortalidade, por afetar um órgão delicado, mas a cantora gospel demonstra uma fé inabalável.

Ela, inclusive, irá lançar em breve um novo CD, gravado após a descoberta da doença. Ludmila Ferber considera que está vivendo um milagre, pelas dificuldades em manter sua voz intacta: “Gravar com uma condição no pulmão e cantar com a força que eu canto, que não mudou, é um milagre paralelo. Eu estou vivendo um milagre paralelo”, e afirmou que este projeto marcará uma nova fase em sua trajetória: “Hoje eu creio que algo me fez esperar a hora certa. Esse projeto marca verdadeiramente um novo começo e um novo tempo na minha história”, afirmou.

Tadeu Ribeiro
[email protected]