Conecte-se conosco

Política

Lula diz que derrotar Bolsonaro é questão de honra: “Sou melhor do que essa coisa”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou de um ato eleitoral na Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro, nesta quinta

Publicado

em

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) são pré-candidatos à Presidência - Foto: Reprodução/Redes Sociais

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou de um ato eleitoral na Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro, na noite desta quinta-feira (07/07), e afirmou, dentre outras coisas, que derrotar o presidente Jair Bolsonaro (PL) nas eleições deste ano é uma “questão de honra do povo brasileiro”.

“Derrotar esse cara [Bolsonaro] é uma questão de honra do povo brasileiro, dos que querem democracia e verdade”, disse durante seu discurso. O petista disse que Bolsonaro “é uma máquina poderosa de contar mentiras”.

Durante o ato, Lula endossou Marcelo Freixo (PSB) para o governo do Rio de Janeiro e evitou mencionar os dois nomes que disputam a indicação para o Senado na chapa.

Ainda no seu discurso, Lula disse ter certeza de que é melhor do que “essa coisa” que está no governo, e falou da sua garra para recuperar o país se for eleito na eleição de outubro.

“Precisamos humanizar esse país”, disse Lula. “Precisamos de união para derrotar esse fascista e essa coisa que não entende do Brasil e do povo”, acrescentou o petista.

“Posso não ser melhor do que ninguém, mas melhor do que essa coisa que está aí tenho certeza que sou”, afirmou. “Se vocês soubessem a garra que estou de governar e como vamos recuperar o país, vocês não sabem. Estou com 76 anos, energia de 30 e tesão político de 20″, disse.

Publicidade

O ex-presidente admitiu que quando foi eleito pela primeira vez, em 2002, teve medo e até “dor de barriga” por achar que poderia fracassar no governo e decepcionar o povo. Dessa vez, afirmou, estar extremamente empolgado para mais um governo.

O local escolhido pelo PT para o ato, a Cinelândia, foi palco de protestos históricos contra a ditadura militar, a favor das Diretas Já, pela saída do ex-presidente Fernando Collor, dentre outras. Ainda hoje é local de manifestações.

Publicidade

+ Acessadas da Semana