Morte do filho do Bispo Romualdo faz 2 anos com polêmicas e mistérios

Próximo mês, mais precisamente dia 27, completará 3 anos da morte de Fábio Panceiro, filho adotivo do bispo Romualdo Panceiro, considerado o braço direito de Edir Macedo na Igreja Universal. E a história parece ser mais complicada do que parece.

Fábio Panceiro, bispo Romualdo e sua esposa. Reprodução – Facebook.

Na época do caso, em 2015, a mãe adotiva do jovem chegou a comentar sobre o ocorrido, afirmando que ele havia morrido enquanto dormia. Márcia Barbosa disse que o que importava, na verdade, não era a morte do corpo, mas sim a salvação da alma, e acreditava que seu filho estava salvo em Jesus.

O bispo Romualdo chegou a dizer em Los Angeles, lugar onde Fábio Morreu, que a culpa de tudo era da mãe biológica do jovem, que o teria feito sofrer, e que o havia abandonado, fazendo com que ele se perdesse nas drogas até sofrer uma overdose que o levou a óbito.

Mas hoje em dia outros mistérios e polêmicas cercam a história. E tudo depois que uma emissora de Portugal denunciou em seus telejornais que a Igreja Universal do Reino de Deus em Portugal teria supostamente montado e gerido uma rede de tráfico de crianças, que eram trazidas de áreas mais pobres de Portugal para o Brasil. A Procuradoria-Geral de Portugal, inclusive, instaurou um procedimento investigativo para apurar as denúncias.

Segundo a TVI, tudo aconteceu de forma legal, mas baseado em fatos inverídicos. Uma mulher procurou a emissora sob condição de anonimato, para afirmar que havia sido enganada pela assistência social do país, após pedir ajuda na criação dos filhos, sem contudo ter o desejo de entregá-los para adoção: “A assistente me disse que a situação ia ser reavaliada e que depois vinham para junto de mim”.

Fábio Panceiro, que faleceu em 2015, teria sido levado de Camarate, em Portugal, há cerca de 20 anos atrás, junto com seus outros dois irmãos, Vera e Luís. Estes dois, inclusive, chegaram a publicar um vídeo quando a polêmica envolvendo a Universal eclodiu, negando que tenham sido raptados, embora tivessem apenas 2 e 3 anos, respectivamente, na época em que aconteceu.

A Igreja Universal do Reino de Deus nega veementemente as acusações e diz que não se envolveu com nenhuma prática ilícita na adoção de crianças portuguesas. A TVI, responsável pelas reportagens que chocaram o país, mantem sua posição editorial de que o que aconteceu foi, de fato, um crime de tráfico humano. A polícia portuguesa continua investigando o caso para dar algum desfecho.

Enquanto isso, o filho de um dos mais altos executivos da Igreja Universal segue apenas na memória dos que o conheceram, com um fim trágico e polêmico. Sua mãe adotiva, mulher de Romualdo Panceiro, resumiu o fato na época em que Fábio morreu: “[Fábio] estava dormindo e teve uma parada cardíaca. Como a pessoa morre não importa, [o que] importa é a salvação da alma. Eu tenho certeza que meu filho foi salvo. É uma promessa, está escrito: Crê no Senhor teu Deus e seras salvo tu e tua casa. Deus o trouxe de volta para ser salvo, mas o dia dele ja estava determinado por Deus. Nunca pensei que fosse [morrer] tão cedo, mas Deus sabe o tempo e o modo. Ele não está morto, apenas dorme em paz. Agora tem a paz e a alegria que tanto precisava.”

Tadeu Ribeiro
[email protected]
Com informações Correio da Manhã Portugal.