in

Nora diz que via Flordelis ‘colocando um pozinho no suco’ do pastor Anderson

A deputada federal Flordelis dos Santos Souza, acusada de ser a mandante do assassinato do próprio marido, o pastor Anderson do Carmo, teria dito que ele morreria por “atrapalhar a obra de Deus”. A informação foi dada pela nora de Flordelis, Luana Rangel Pimenta, durante audiência na manhã desta sexta-feira (27/11). As informações são do Metrópoles e O Dia.

Publicidade

Luana e outras testemunhas do crime foram ouvidas na 3ª Vara Criminal de Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro. Flordelis também participou da audiência e chegou ao local por volta das 9h.

Esposa de Mizael, um dos filhos da deputada, Luana disse que, entre 2017 e 2018, Flordelis costumava dizer que recebia “mensagens divinas” sobre a morte de Anderson. Ela falava que o marido morreria porque estava “atrapalhando a obra de Deus”.

Luana também disse que a parlamentar teria colocado substâncias em bebidas do pastor para tentar matá-lo e que planejou o crime ao menos duas vezes.

“Um dia, eu e uns filhos fomos a um cinema na Barra. O Carlos (um dos filhos) disse: ‘não toma nada que a Flor der para o Niel (apelido de Anderson). A Cris (outra filha) tomou um suco de laranja e ficou cinco dias internada’. Vi várias vezes ela colocando pozinho no suco do pastor”, disse Luana durante a audiência, segundo o portal O Dia.

A nora de Flordelis também disse que Anderson passou “muito mal” durante o último ano de vida. “Fazia reuniões com uma lixeira em cima da mesa para poder vomitar”, afirmou, segundo o portal.

PUBLICIDADE

Além disso, Luana reforçou que o choro da deputada no dia da morte de Anderson foi falso, e que a parlamentar teria ordenado que o celular do pastor fosse quebrado e jogado no mar.

Flordelis foi a primeira a chegar ao plenário, seguida pelos outros réus, que estão presos. Eles foram conduzidos à sala de audiência e a juíza advertiu que todos eles são proibidos de se comunicar. A magistrada ameaçou tomar outras medidas, caso a determinação fosse descumprida.

A deputada chorou quando viu os filhos e a neta chegarem ao fórum e escondeu a tornozeleira, que é obrigada a usar. As informações são do Extra.

No dia 13 de novembro, quando houve a primeira audiência, as testemunhas de acusação foram ouvidas. Entre elas, os delegados Allan Duarte e Bárbara Lomba, que conduziram as investigações.

Flordelis é a única dos 11 réus que não está presa. Por possuir imunidade parlamentar, a deputada somente poderia ser detida em flagrante delito por crime inafiançável.

Publicidade

Câmeras de prédio flagram cantora gospel sendo agredida outra vez pelo marido

Oscar Magrini diz que na Globo existia um “quartinho do pó e do c*”