in

Pastora é autuada por escravidão ao manter fiéis trabalhando ‘em troca de salvação’

Ana Vindoura Dias Luz, líder da Igreja Remanescente de Laodiceia, aliciou diversos trabalhadores da sua empresa com o discurso de que “Jesus está voltando. Mas só vai ganhar o Reino dos Céus quem me seguir”. Os funcionários da empresa não recebiam salários, eles eram pagos com a promessa de salvação divina. As informações são do MSN.

Publicidade

Segundo os auditores-fiscais que autuaram Ana Vindoura por submeter 79 trabalhadores a condições de escravidão, a “ajuda de custo” que os funcionários recebiam informalmente, era usada para bancar despesas da empresa e da igreja.

Os funcionários da empresa dormiam em locais improvisados, como carrocerias de caminhões, ao lado de agrotóxicos e em alguns casos, dormiam sob tetos de lona.

A líder religiosa agora integra o o grupo “lista suja” do trabalho escravo. Este programa é um cadastro divulgado semestralmente pelo Ministério da Economia, que relaciona os empregadores responsabilizados pela utilização de mão de obra escrava.

Celso Correa de Oliveira, advogado de Ana Vindoura e da Igreja Remanescente de Laodiceia, negou todas as acusações ao ser questionado.

Publicidade

Após indicar católico, Bolsonaro diz que próxima vaga para o STF será de pastor

Filho de bispo da Igreja Mundial acusa o pai de espancá-lo com madeira