Pastor faz duras críticas ao divórcio no meio evangélico: ‘Apostasia do amor’

O pastor Josué Gonçalves, famoso por sua atuação na área da família, fez duras críticas ao divórcio, que tem se popularizado no meio cristão ultimamente.

Pastor Josué Gonçalves faz duras críticas ao divórcio.
Pastor evangélico Josué Gonçalves faz duras críticas ao divórcio.

Em um post nas redes sociais, o pastor listou 4 razões pelas quais Deus odeia o divórcio: “Você já parou para pensar por que Deus odeia o divórcio? (Malaquias 2.16) Quero lhe mostrar 4 Razões.”, começa o texto.

O pastor define o divórcio como uma “guerra”, “tsunami” e “apostasia do amor”, e diz que 63% dos casais que se divorciam acabam se arrependendo depois.

“É rejeitar alguém que um dia foi desejado, buscado e seduzido. Se dependesse só de Deus não haveria divórcio […] O casamento é ideia de Deus, o divórcio é consequência da dureza do coração do homem.”, reflete.

“O divórcio é guerra. Não existe divórcio indolor. Em uma guerra alguns saem amputados, outros queimados, outros terminam mortos. O divórcio é um tipo de guerra que nunca termina. Umas pessoas divorciadas disseram: eu preferia ter morrido.”, garante.

A mensagem do pastor vem num momento muito complicado, onde até pastores consagrados se utilizam da prática do divórcio.

Os casos mais emblemáticos no meio evangélico são os dos pastores Kléber Lucas e Jabes de Alencar, que geraram debates sobre a possibilidade de cristãos se divorciarem, sob o ponto de vista bíblico.

Kléber Lucas assumiu que traiu sua ex-esposa, Danielle Favatto, com uma fã, e embora ela tenha perdoado o ato, o próprio pastor decidiu não continuar com a relação, e acumula 3 divórcios em seu currículo.

Já o pastor Jabes de Alencar, famoso pastor do Rio de Janeiro que é muito amigo de Silas Malafaia, pediu divórcio de sua ex-esposa e casou-se novamente, gerando muita polêmica no meio gospel.

Jabes de Alencar, inclusive, tentou censurar judicialmente o Portal do Trono e outros veículos de imprensa cristãos que noticiaram seu divórcio, mas acabou desistindo da ação, após derrotas em primeira e segunda instância.