Conecte-se conosco

Mundo Cristão

Pastor é pulverizado com ácido por muçulmanos em emboscada na Uganda

Publicado

em

Frank Mutabaazi sofreu uma emboscada de um extremista, que fingiu ser membro de igreja - Imagem/Divulgação

Um pastor evangélico perdeu quase toda a visão depois que extremistas muçulmanos o atraíram para uma emboscada e o pulverizaram com ácido. O caso aconteceu em Kampala, capital da Uganda, na África Oriental.

Segundo o portal Morning Star News, o pastor Frank Mutabaazi, de Mbarara, a 270 km de Kampala, enxerga apenas vagamente com um olho e tem problemas para comer e falar devido às queimaduras do ataque com ácido, que aconteceu em 22 de dezembro na capital.

Seu ombro também foi gravemente queimado e ele não consegue dormir sem analgésicos, informou o Morning Star News.

Segundo informações, tudo aconteceu depois que o pastor pregou em um culto noturno de uma igreja na área de Kasubi, em Kampala. Um extremista muçulmano fingindo ser um membro da congregação o cumprimentou, elogiou-o por seu “sermão maravilhoso” e pediu uma carona até a área de Busega, no oeste de Kampala.

Prestes a voltar para sua casa em Mbarara, a quase cinco horas de distância, o pastor concordou em lhe dar uma carona e partiu para a Rodovia Kampala-Northern Bypass.

“No caminho para a estrada principal, o senhor começou a fazer vários telefonemas”, disse o pastor Mutabaazi ao Morning Star News com dificuldade devido a queimaduras na boca.

Publicidade

Aproximando-se de uma rotatória, o homem disse que queria sair. O pastor disse que ainda estavam longe de seu destino, mas o homem respondeu que queria visitar um amigo primeiro.

“Quando ele saiu do veículo, três homens vestidos com trajes islâmicos apareceram e puxaram uma garrafa e começaram a borrifar em mim pela janela enquanto gritavam e mencionavam que eu sou um inimigo de sua religião, bem como um enganador que não é digno viver”, disse o pastor Mutabaazi.

“Desde então, eu não sabia o que havia acontecido, apenas para me encontrar em uma clínica próxima em Namunghona depois de cinco horas”, completou ele.

Publicidade

Além de ter sido atacado, ele recebeu várias ameaças por telefone exigindo que parasse os eventos evangelísticos em Masaka e Kambala no centro de Uganda, Mbale e Pallisa no leste e na sub-região do Nilo Ocidental na parte noroeste do país.

Uma mensagem de texto dizia: “Temos monitorado suas atividades malignas de mudar nossos membros para o cristianismo. Deixe-o saber que sua vida está em risco”.

O pastor disse ainda que tomava muitas precauções, mas nunca esperava que um muçulmano fosse a um serviço religioso disfarçado de cristão. Ainda lutando para se recuperar, o pastor não conseguiu registrar um boletim de ocorrência.

Publicidade

+ Acessadas da Semana