Conecte-se conosco

Mais Conteúdo

Pastor e youtuber são intimados pela polícia por associar Exu a demônios

Publicado

em

Rodrigo Mocellin, Demerson D'alvaro e Rafael Bitencourt - Foto: Reprodução

O pastor Rodrigo Mocellin, da igreja Resgatar Guaratinguetá (SP), esteve nesta quarta-feira (11/05), em uma delegacia de Polícia Civil após ser intimado para prestar esclarecimentos sobre a acusação de “intolerância religiosa”, depois de associar Exu a espíritos malignos.

Rodrigo, que possui mais de 332 mil inscritos no seu canal no YouTube, publicou nas últimas semanas um vídeo com o nome “Carnaval 2022: EXU é descrito como bonzinho” no qual explicou que “Carnaval é uma coisa demoníaca”. O vídeo foi retirado do ar pela plataforma.

Além de Mocellin, o estudioso de escatologia Rafael Bitencourt também foi alvo de uma representação criminal. Ambos foram movidas pelo babalorixá Sidney Nogueira e o advogado e ex-secretário de Justiça e Defesa da Cidadania de São Paulo, Hédio Silva Júnior.

Rafael, que tem mais de 700 mil inscritos no YouTube, postou o vídeo “POSSUÍDOS! Carnaval e a verdade que não te contaram! Batalha espiritual”, onde afirmou que a Grande Rio, escola de samba vencedora do Carnaval no Rio – que homenageou o Exu -, colocou “pessoas manifestando demônios, ficando possuídas” e “Jesus humilhado pelo diabo” no desfile. O vídeo também foi retirado do ar pela plataforma após a solicitação do advogado e do babalorixá.

“Essas postagens veiculam discursos de ódio religioso e de racismo religioso que incitam e induzem os brasileiros a agredirem as religiões afro-brasileiras e seus adeptos”, disse Hédio Silva Júnior à Folha de São Paulo.

REPOSTAS ÀS ACUSAÇÕES

O pastor Rodrigo Mocellin publicou no último sábado (07/05), um vídeo esclarecendo as acusações de “racismo religioso”, um termo que ele não conhecia. No vídeo, ele disse que hoje podem usar símbolos cristãos para defender pautas LGBT ou até mesmo invadir igrejas, mas “somente os cristãos não possuem liberdade de expressão”.

“Tolerar crenças não significa que não podemos criticá-las. Eles estão quase passando para o lado em que nos obrigarão a crer como eles, em que nós seremos obrigados a elogiar a religião deles. Isso é intolerância”, disse o pastor.

Já Rafael Bitencourt também se expressou sobre a ação na quinta-feira (05/05):

“A Constituição e a lei de intolerância religiosa me garantem o direito à crítica. Não é proibida a crítica de acordo com seus valores e crenças. Mesmo quem não faz parte de uma religião pode tecer críticas e dar a opinião sobre o outro. Se não, a lei impediria a evangelização, a obra missionária e a pregação do Evangelho”, falou.

A Grande Rio, penúltima escola de samba a desfilar na Marquês de Sapucaí, sagrou-se campeã do Carnaval 2022 do Rio de Janeiro em 26 de abril. A escola de Duque de Caxias homenageou Exu, divindade presente nas religiões de matriz africana que faz ponte entre os humanos e orixás, entre eles a umbanda.

A Rainha de bateria, a atriz Paolla Oliveira foi vestida de Pombagira, considerada a representação feminina de Exu. Após a apresentação da escola, o desfile foi parar nos assuntos mais comentados do Twitter.

  • RECEBA NOTÍCIAS DO PORTAL DO TRONO DIRETAMENTE DO WHATSAPP!













+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página