in

Pastor flagrado pegando bunda de fiel desiste de presidência da Assembleia

Alvo de duras críticas após dar tapinhas na bunda da ex-funcionária de igreja o pastor Antônio Dionizio da Silva (saiba mais), pediu afastamento da presidência ComadeMS (Convenção das Assembleias de Deus no Estado de Mato Grosso do Sul), depois de trinta anos a frente da instituição. No final do mês passado o órgão já havia informado que pediria para que o pastor deixasse o cargo. As informações são do Campo Grande News.

Publicidade

No entanto, em nota encaminhada a mesa diretora da ComadeMS, na última quarta-feira (04), o pastor não cita o episódio e alega que o pedido de afastamento por 60 dias foi uma recomendação médica. Ele também deixou claro que não tem interesse em participar do próximo pleito eleitoral do órgão.

“Venho por meio desta requerer a mui digna Mesa Diretora meu pedido de licença médica pelo prazo de 60 (sessenta) dias, a contar desta data, para tratamento de minha saúde já que a recomendação médica é neste sentido”, diz o pastor.

Com a desistência de Dionizio quem assumiu a liderança da Convenção é o 1º vice-presidente, pastor Carlos Chaves de Castro. Antônio Dionizio continua líder da Igreja Assembleia de Deus Missões da Capital.

PUBLICIDADE

No último dia 22 de outubro, 31 pastores que fazem parte da ComadeMS (Convenção das Assembleias de Deus no Estado de Mato Grosso do Sul) assinaram nota de repúdio contra Dionízio, depois da divulgação de um vídeo em que ele aparece em um apartamento, com uma mulher, e lhe dá sete tapas na bunda.

Tamanha intimidade revoltou fieis, por conta dos boatos de ela seria a responsável pela separação de Dionizio e da esposa, também da liderança da ADM, após 43 anos de casamento. Ao Campo Grande News a mulher, de 39 anos, que aparece na filmagem negou que tenha relacionamento com o líder da instituição, e disse que as imagens que causaram a polêmica foram montadas, editadas e retiradas de contexto.

Publicidade

Após ser expulso da Hillsong, pastor de Justin Bieber confessa adultério

MP do Rio diz que Flávio Bolsonaro construiu patrimônio desviando dinheiro público