in

Pastor do CE que morreu de Covid-19 cedeu vaga em UTI para dois pacientes mais graves

Publicidade

 O vereador Antônio Henrique (PDT), presidente da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), usou a sessão dessa terça-feira (18) para homenagear o pastor Neto Nunes, que faleceu na segunda, vítima da Covid-19.

Nas palavras de homenagem, o vereador revelou que o pastor, que era presidente das Igrejas e Ministros das Assembleias de Deus Ministério de Fortaleza no Estado (Cimadec), cedeu, duas vezes, sua vaga em um leito de UTI para pacientes em estado mais grave.

“Eu estava conversando com a irmã do pastor Neto Nunes que me disse que antes dos quatro dias (que ele passou na UPA) surgiu leito de UTI para ele e ele, se achando um pouco mais forte, passava a vez para outra pessoa. Isso mostra inclusive o lado humanitário e cristão dele”, disse o vereador.

O ato emocionou os outros vereadores que participavam da 13ª sessão legislativa virtual da Câmara de Vereadores de Fortaleza, segundo o jornal O Povo.

PUBLICIDADE

“Ele não estava em uma situação confortável, a UPA não tem conforto em virtude da quantidade de pessoas procurando transferência para UTI. Eu lamento a situação não só dele como de tantos outros. Mas no caso dele tivemos essa informação. Ele vendo a situação dele melhor que a de outros, passava a vez”, afirmou o presidente da Câmara.

O pastor neto Nunes também tentou entrar na política, quando foi candidato a prefeito de Fortaleza em 2008, pelo PSC. Na época, ele obteve 22.874 votos, ficando na quinta colocação entre nove candidaturas. A campanha do pastor ficou marcada pelo slogan “vai dar tudo certo”.

“Ele é um homem que militava tanto no lado religioso de pregação e também tinha envolvimento político porque ele acreditava que na política podemos fazer muito pelas pessoas. É uma pessoa que eu fiquei muito chocado (com a morte)”, disse Antônio Henrique.

Publicidade

Ana Paula Valadão anuncia retorno de cultos presenciais na Igreja Diante do Trono

R.R. Soares anuncia água abençoada que “cura” Covid-19 e Ministério Público investiga