Conecte-se conosco

Mundo Cristão

Pastores da Universal são investigados por terem recebido Auxílio Emergencial, diz site

Publicado

em

Pastores da Igreja Universal do Reino de Deus estão sendo investigados por terem recebido o Auxílio Emergencial, mesmo recebendo salários na instituição. Em suma, o Auxílio Emergencial foi um benefício que previu o repasse de 600 reais mensais a trabalhadores informais e de baixa renda, devido a pandemia da Covid-19.

Segundo uma reportagem publicada pelo Portal UOL, pelo menos 69 pastores da Universal tiveram acesso ao benefício. Diante disso, a Igreja abriu uma investigação interna para apurar os fatos. Além disso, os religiosos dizem ter sido orientados pela direção da igreja a pedir o benefício e comunicar à instituição para que o valor fosse descontado em seus salários.

Um áudio atribuído ao bispo Renato Cardoso, genro do líder máximo da Universal, Edir Macedo, circula nas redes sociais. Nele o religioso diz que a Igreja avalia que os pastores cometeram crime, e se comprovado tal crime, os religiosos serão responsabilizados.

“Mais cinco pessoas saíram da obra…(…) Pessoas vão sair, distorcendo tudo, ao contrário do que ouviram. Pessoas como essas, graças a Deus, a igreja está limpando. A igreja está tomando as providências necessárias judiciais, inclusive em casos em que há indícios de crime contra a igreja, contra o povo da igreja. Estaremos denunciando, fazendo a denúncia-crime”, disse Renato Cardoso no áudio que circula na internet.

Segundo o UOL, A Universal não reconheceu a autenticidade da gravação. Religiosos e profissionais de comunicação que conviveram com Cardoso na igreja e na TV Record, no entanto, dizem não ter dúvidas de que a voz é dele.

CRIME PODE DAR CADEIA

Por meio de nota, a Igreja Universal disse que a instituição tomará as devidas medidas judiciais para “corrigir qualquer informação caluniosa e/ou difamatória à Instituição e seus oficiais, que o portal venha divulgar”, diz a nota enviada pela assessoria da Igreja Universal ao Portal UOL.

Pastores no Brasil não são registrados em carteira e não têm contrato de trabalho, e por causa disso, e se não declararem renda, o governo não tem como saber de seus vencimentos. Vale ressaltar que fornecer informações falsas para receber o auxílio configura a prática de crimes de falsidade ideológica e estelionato.

O Ministério da Cidadania informou que, a princípio, não há impedimento de os pastores receberem o auxílio emergencial, “desde que atendam aos critérios de elegibilidade estabelecidos pelas legislações que disciplinam o pagamento do benefício”.

De acordo com o ministério, estão previstas sanções quando constatado o pagamento indevido -elas podem chegar a cinco anos de cadeia.

Renato e Cristiane Cardoso – Foto: Reprodução
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe um Comentário













+ Acessadas da Semana